Pular para o conteúdo principal

Pontos históricos na Bahia registram o início da trajetória pela libertação do Brasil do jugo português

Flávio Novaes - Aqui Salvador


Pontos históricos na Bahia registram o início da trajetória pela libertação do Brasil do jugo português
O dia 1o de julho de 1823 foi de preparativos para a retirada das tropas portuguesas, àquela altura sitiadas em Salvador, que veria a fuga na madrugada do dia seguinte. Mas a luta pela libertação teve como primeiro grande acontecimento a lavratura da ata de 14 de junho de 1822, na vila de Santo Amaro, quase 13 meses antes do “Dia D”, o 2 de julho. Outras vilas do recôncavo também proclamaram dom Pedro I príncipe regente do Brasil, o que provocou lutas nos mares e campos baianos. Os fortes coloniais foram decisivos nas lutas. O da Salamina, no Rio Paraguaçu, evitou o acesso dos lusitanos. O de São Lourenço, na Ilha de Itaparica, ajudou as manobras de João das Botas, enquanto que o da Lagartixa, em Salvador, anunciou a cidade livre do jugo português. O general Labatut, preso em Maragogipe, as escaramuças em Pirajá e os movimentos no centro da cidade são algumas das passagens da grande vitória pela Independência do Brasil na Bahia.

***
Cachoeira

A CÂMARA da Vila de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira reuniu-se no dia 25 de junho de 1822, quando adotou a mesma decisão política da vizinha Santo Amaro. No mesmo dia, a vila foi atingida por uma canhoneira portuguesa fundeada no Rio Paraguaçu, que deixou vários mortos e feridos. A população revidou e silenciou a embarcação. Começava a guerra pela Independência na Bahia.
Salamina

TAMBÉM CONHECIDO como Forte Santa Cruz, Taperende, Fortinho do Paraguaçu ou Forte da Barra do Paraguaçu, o Salamina, localizado próximo a Maragogipe, foi importante para evitar a passagem de tropas portuguesas que queriam adentrar o rio para chegar a Cachoeira. A força situada no forte impediu que um navio, que estava de posse dos cachoeiranos, fosse retomado pelos lusitanos.
Pirajá

O GENERAL Pedro Labatut arregimentou as tropas e ali se aquartelou, no dia 3 de novembro de 1822, centralizando pela primeira vez a administração do exército em guerra pela independência. No amanhecer do dia 8, começou a conhecida Batalha de Pirajá. Os portugueses recuam. Uma das versões atribui ao toque de avançar do corneteiro Lopes a vitória no combate.
Morro de São Paulo

ThoMAS COCHRANE, o lord Cochrane, contratado pelo imperador dom Pedro I e nomeado primeiro almirante do Brasil, resolveu se abrigar na baía do Morro de São Paulo, já em 1823, para executar operações da esquadra nacional. Da Baía de Tinharé, evitava o envio de suprimentos ao general Madeira de Melo, fechando o cerco a Salvador.
Casa da Torre

DE LÁ PARTIU força imprescindível para os combates finais. O morgado da Casa da Torre, Antonio Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque d’Ávila Pereira, reuniu um batalhão de brasileiros para enfrentar os portugueses. Entre os soldados, índios tupinambás, seminus, armados de arco e flecha, com experiências de emboscadas, seguiram para o alto de Pirajá.
Soledade

RELIGIOSAS do Convento da Soledade teceram coroas de louros para os heróis que adentravam a cidade na manhã de 2 de julho de 1823. Mandaram construir, também, um arco triunfal, adornado com flores, em frente ao convento, para receber o exército brasileiro que chegava de Pirajá para Salvador.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…