Pular para o conteúdo principal

Genética do Coffea Maragogipe

Genética de coffea VII— hereditariedade dos caracteres de coffea arabica L. var. maragogipe hort ex froehner

C. A. Krug; Alcides Carvalho
 
Resumo:
A variedade maragogipe do Coffea arabica L. foi encontrada pela primeira vez por Crisógono José Fernandes, em 1870, no município baiano de Maragogipe onde, provavelmente, se originou por mutação. Desde 1933 esta variedade vem sendo estudada pela Secção de Genética do Instituto Agronômico do Estado de São Paulo, em Campinas, com o fim de se determinar a sua constituição genética. Muitas autofecundações, cruzamentos e back-crosses foram, então, realizados. Grande parte das plantas obtidas só puderam ser classificadas após a colheita do ano de 1940. Todas foram examinadas quanto à forma e dimensões das folhas e um grande número ainda quanto à forma e dimensões das flores, frutos e sementes. Verificou-se que o caráter maragogipe mostra dominância quase completa em F1, não sendo possivel uma separação das ciasses maragogipe puro e híbrido. Em F2, e nos back-crosses com as formas normais, obtiveram-se, respectivamente, relações de 3:1 e 1:1 entre plantas maragogipe e plantas normais, relações essas que demonstram que os caracteres do maragogipe são controlados por um único par de fatores genéticos dominantes, para os quais se propõe o símbolo Mg-Mg, derivado do próprio nome desta variedade.

Depositado em Scielo

LITERATURA CITADA
1.  Botelho, Carlos. Campos de Experimentação e Demonstração : Relat. da Secretaria dos Negócios da Agrie, Com. e Obras Públicas do Est. de S. Paulo 1904 : 30-31. Figs. 1-2. 1905.         [ Links ]
2.  Botelho, Carlos. Instituto Agronômico, Relat. da Secretaria dos Negócios da Agrie, Com. e Obras Públicas do Est. de S. Paulo 1905 : 18-20. Figs. 1-2. 1906.         [ Links ]
3.  Brieger, F. G. Tábuas e Fórmulas para Estatística, pg. 1-46, (Tábuas 2 e 7). Cia. Melhoramentos de São Paulo. São Paulo. 1937.         [ Links ]
4.  Carvalho, A. Causas da baixa produtividade do C. arabica L. var. maragogipe, Hort ex Froehner. Bol. Técn. Instituto Agronômico do Est. de São Paulo em Campinas. 59:1-45. Figs. 1-2. 1939.         [ Links ]
5.  Froehner, A. Die Gattung Coffea und ihre Arten. Engler's Botan. Jahrb. 25. pg. 1-233. 1898.         [ Links ]
6.  Krug, C. A. Genética de Coffea. Bol. Técn. do Instituto Agronômico do Est. de São Paulo em Campinas. 26 : 1-39. Figs. 1-15. 1936.         [ Links ]
7.  Krug, C. A., J. £. T. Mendes e A. Carvalho. Taxonomia de Coffea arabica L. Bol. Técn. do Instituto Agronômico do Estado de São Paulo em Campinas. 62: 1-57. Figs. 1-122. 1939.         [ Links ]
8.  Mendes, J. E. Teixeira. A enxertia do cafeeiro I. Bol. Técn. do Instituto Agronômico do Estado de São Paulo em Campinas. 39 : 1-18. Figs. 1-6. 1938.         [ Links ]
9.  Mendes, J. E. Teixeira. Ensaio de Variedades de Cafeeiros. Bol. Técn. do Instituto Agronômico do Estado de São Paulo em Campinas. 65 : 1-36. 1939.         [ Links ]

Comentários

Top 5 da Semana

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…

O Terreiro Ilê Axé Alabaxé,– “"A Casa que Põe e Dispõe de Tudo"

É com muito pesar que noticiamos o falecimento do Babalorixá Edinho de Oxóssi, será muito justo neste momento, republicarmos a história do Terreiro lIê Axé Alabaxé,– “"A Casa que Põe e Dispõe de Tudo", um local com que o nosso babalorixá tem suas intimidades reveladas. Sabendo que seria do agrado de muitos maragogipanos que desejam conhecer a nossa história, resolvi publicar esse texto e uma entrevista concedida pelo Babalorixá Edinho de Oxóssi encontrada no site (http://alabaxe.xpg.uol.com.br/)
Oxóssi

A cada ano, após a colheita, o rei de Ijexá saudava a abundancia de alimentos com uma festa, oferecendo à população inhame, milho e côco. O rei comemorava com sua família e seus súditos só as feiticeiras não eram convidadas. Furiosas com a desconsideração enviaram à festa um pássaro gigante que pousou no teto do palácio, encobrindo-o e impedindo que a cerimônia fosse realizada.

O rei mandou chamar os melhores caçadores da cidade. O primeiro tinha vinte flechas. Ele lançou todas…

Plano de Curso de História - 2º ano do Ensino Médio - 2012

Plano de Curso
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.
Série: segundo ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: O conhecimento histórico é contínuo, e é através dele que podemos rever nossos conceitos e construir novas visões de mundo. O segundo ano do ensino médio serve para que o aluno comece a expor suas reflexões obtidas no primeiro ano de estudo de forma clara e construtiva, observando as ferramentas disponíveis para que sua interpretação esteja fundamentada. Neste momento, além de revisarmos os conteúdos da história européia, africana e americana, adentraremos com muito mais afinidade no mundo que estava se formando após o descobrimento da Améri…

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Plano de Curso de História - 3º ano do Ensino Médio - 2012

Plano de Curso
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.

Série: terceiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Ter uma visão holística da sociedade é se habilitar para o conhecimento, e é por esse motivo, que o estudo de história no terceiro ano do ensino médio, não deve se limitar apenas aos conteúdos de história contemporânea. Este programa visa revisar os conteúdos da história antiga, medieval e moderna, além de trazer discussões historiográficas, introduzindo os alunos nos estudos históricos de maneira atraente e instigante.
II.Objetivos:
Desenvolvimento de competências ligadas à leitura, análise, contextualização e interpretação das divers…