Pular para o conteúdo principal

A biografia de Ariston Pimentel Vieira


Carlos Laranjeiras narra mais uma de suas belas histórias, colocando em trânsito a família do prefeito Ariston Pimentel Vieira, político foi prefeito de 1950 à 55, e comerciante de Maragogipe que contribuiu grandiosamente com o brilho da nossa cidade. Leia mais


Curiosa foi a vida do prefeito Ariston Pimentel Vieira: não se tornou conhecido por uma ou outra obras administrativas, mas pela firmeza moral, pelo bar, pelos filhos e mulher. Na hierarquia dos comerciantes, que figuravam no século passado como um dos grupos sociais mais influentes da cidade, ele representava um valor e este valor não podia ser negociado, pois não era uma mercadoria e sim um conjunto de princípios.

Era um homem de pele branca, altura de pouco mais um metro e 70 centímetros, nem gordo nem magro. Quem o visse com o corpo inclinado e o tronco sustentado pelos cotovelos apoiados ao balcão do seu estabelecimento comercial, não podia imaginar que havia sido prefeito e agora retirava do bar o seu sustento e o da família.

Nesse bar, onde Flor de Mariinha tocava bongô, remexia os quadris, fazia o público gargalhar e jogava-se dama, dominó, só havia um empregado, o próprio dono. Pela sua localização, era local de parada de quem ia tomar uma cerveja, uma cachaça, uma vitamina de banana, um Nescau ou um ovomaltine com leite, um refresco de coco acondicionado em litros e servido gelado em copos de vidro sem asa e sem tampa, ou chupar um picolé.

O bar tornou o dono tão famoso que não ficava próximo a Radio Clube e sim a Rádio Clube - a casa de festas mais popular da cidade - próxima ao bar. A filha, Rita, contribuiu também para o renome de Ariston Pimentel Vieira: estudante do Ginásio Simões Filho, ela se destacava das demais moças, de pele morena ou escura, pelos cabelos ruivos e soltos esparramados pelas costas, que desciam como uma torrente de água que cai. Parecia uma descendente alemã com corpo de mulher brasileira a chamar a atenção.

“Quem é a loira?”

“É Rita, de Ariston.”

Se a Rita fazia menção a Ariston, o temperamento fácil e brando da dona Geni, atenciosa com as flores cultivadas à frente da casa protegida por um muro na Rua General Pedra, também aludia ao ex-prefeito, de quem era mulher. Geni possuia um modo especial para tratar o próximo, mais ainda os meninos chamados de desordeiros e com esse acolhimento impunha respeito e tornava-se agradável.

Suas flores exalavam um perfume que percorria a rua, inclusive de manhã cedo em que eu o sentia com mais intensidade ao passar pela porta da dona Geni em direção à escola. Até mais agradável era o perfume que as flores exalavam ao cair da tarde, quando o vento soprava e nelas batia e as cigarras ensaiavam uma cantoria que davam um clima romântico conveniente aos idealistas e sonhadores.

Idealista como eu fui e continuo a ser.

Bons tempos aqueles.

Jornalista, Carlos Laranjeira nasceu em Maragogipe e trabalha em São Bernardo do Campo, SP.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…