Pular para o conteúdo principal

A Revolução Iraniana foi uma revolução Islâmica?

Para fazer esse resumo sobre a Revolução Iraniana, trabalharemos com o décimo livro da Coleção Revoluções do Século 20 que é organizada e dirigida pela historiadora Emília Viotti da Costa. O livro intitulado Revolução Iraniana é escrito por Osvaldo Cogiolla que é graduado em História pela Universite de Paris VIII (1977) e em Economia também pela Universite de Paris VIII (1979). Atualmente é professor titular da Universidade de São Paulo (USP) e professor nos cursos de jornalismo e economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Essa coleção pretende montar um quadro amplo das revoluções contemporâneas e já conta com títulos: A Revolução Boliviana, A Revolução Salvadorenha, A Revolução Alemã, A Revolução Chinesa, A Revolução Cubana, A Revolução Guatemalteca, As Revoluções Russas e o Socialismo Soviético, A Revolução Nicaragüense e A Revolução Vietnamita.

Todos os livros da coleção tem uma orientação marxista. Aborda muito bem o tema trabalhado e traz uma visão da revolução iraniana que ainda não tinha visto em lugar nenhum, demonstrando clareza e podendo ser usado, tanto como forma de instrução ou apenas de conhecimento sobre esse fato que marca a história. Devido a fácil linguagem, explicando cada momento e internacionalizando o acontecimento, demonstrando que a história de um lugar, não está sintetizada no mesmo, principalmente, no século XX, com todo esse contexto, industrialização, globalização, informatização e maior espaço de sociabilização dos acontecimentos por parte dos meios de comunicações.

A Revolução Iraniana foi, no final do ano de 1978, a primeira revolução televisionada ao vivo em um Irã espremido entre a autocracia, a corrupção e anseios modernizadores. O mundo assistia perplexo a um espetáculo surpreendente: as ruas das principais cidades do Irã eram inundadas por uma população enfurecida que exigia a saída do Xá Reza Pahlevi. (Veja abaixo o mapa interativo do Irã atual - Google Maps)


Além das intervenções russa e britânica, no começo do século XX, e posteriormente da norte-americana, Coggiola elenca os motivos que a população iraniana tinha para derrubar o regime comandado pelo Xá, entre eles, a vertiginosa desigualdade social, seu posicionamento frente a questões religiosas e a repressão selvagem levada a cabo pela polícia política, a Savak. No entanto, o que mais chama a atenção é como o processo é modificado quando a ação passa da burguesia nativa para o proletariado: na revolução passada em “tempo real” para o mundo, o povo que oferecia seu peito às balas era inspirado pelos ensinamentos de um personagem religioso do século VII, o profeta Maomé.

Entendo que a religião é a característica principal da revolução, mas sinto falta da mesma no livro de Osvaldo Cogiolla, não vejo um aprofundamento acerca da questão religiosa, que acredito que deveria ser melhor aproveitada. Vale ressaltar que o simples fato de termos um país, em que a maioria da população é islâmica, não fundamenta a tese de que uma revolução neste país tenha sido Islâmica, por mais que tenha se desejado a todo o custo uma República Islâmica. Devemos estar atentos aos processos que ocorreram antes mesmo da revolução. Acredito que antes deveria ter pelo menos um capítulo com algumas explicações básicas de como o Islã entrou naquele país, o que é xiismo, sunismo e o que representa suas respectivas seitas dentro do mundo islã, até como forma de explicar, exemplo o porque do Irã estar apoiando EUA e Israel na guerra do Yom-Kippur, em que a maioria dos países árabes apoiaram a invasão de Israel. O Irã é o país que tem a maior população islâmica (xiitas), e esses acreditam que somente os descendentes do genro de Maomé, Ali, com sua filha Fátima, podem governar. Cabe ressaltar que apenas 9% das pessoas que tem o islamismo por religião, são xiitas, enquanto que no Irã mais da metade da população é xiita. Essa é uma das explicações para essa união. Aliás o Irã, quer dominar a região, e é um ponto estratégico para os EUA, esses aliás estavam envolvidos diretamente, com a venda de armas e o comércio do petróleo.

Retirada de AFP
Vemos, pois, um povo tão agitado que quando o Xá Reza Pahlevi, toma decisão de tornar o Estado laico, ele não consegue enxergar, os sofrimentos de uma população que, além de sofrer, por causa da economia e dos mandos e desmandos políticos. Aliás, esse não fazia questão nenhuma de enxergar essa população, chegando ao ponto de perguntar ao chefe do Instituto Pesquisa Social de Teerã Elisam Narighi sobre as origens das agitações. Esse respondera que a origem estaria... no próprio Xá. Este ficou surpreso com a resposta, pois acreditava piamente, que ele iria dizer que eram comunistas, palestinos, americanos, Khomeini, ou qualquer outro. Isso significa dizer que o xá Reza Pahlevi, não estava nem aí, para a população, cada vez mais sem previsão de um futuro. Somente a religião, era seu aporte, o seu lugar.

Sendo assim, as diversas promessas de República Islâmica oferecidas, pelas cópias de fitas contrabandeadas, estavam iludindo toda uma população, inclusive sunita. O que estava por vir, ninguém esperava, nem mesmo os revolucionários. As várias ondas, as greves do operariado, me faz pensar naquilo que Marx dizia, e que o próprio Cogiolla em seu livro “Movimento e pensamento operário antes de Marx” citará “a única potência social que operários possuem é seu numero. Mas a quantidade é anulada pela desunião, que se engendra e se perpetua por uma concorrência inevitável” (COGIOLLA, 1991, p.31). Na primeira fase, essa frase se encaixaria muito bem, depois os rumos da revolução irão mudar e aí, não cabe dizer que é uma revolução islâmica, já que vários islâmicos estarão fora do processo, principalmente os curdos, que em sua maioria é sunita. As eleições marcadas para dezembro de 1979, mostraria que parte da população não queria o regime do Aiatolá Khomeini, mujahedeem, fedayin e frente nacional, boicotaram o plebiscito para a nova constituição, que colocava no parlamento, as minorias religiosas (cristãos, judeus e zoroastrisnos) e excluiria do processo os sunitas. É essa que é uma revolução islâmica?

A primeira fase da revolução é também uma parte importante do nosso questionamento. Cogiolla poderia dar também, mais ênfase ao papel dos grupos marxistas-leninistas Fedayin. O próprio citará que o “seu quartel-general era a Universidade de Teerã e foram eles, na verdade, os que tomaram a dianteira nos combates de rua. Também conquistaram posições entre os trabalhadores dos campos petrolíferos.” (COGIOLLA, 2008, p.83). O papel dos estudantes e dos professores da universidade de Teerã era tanto, que os xiitas, matariam depois da primeira fase, todos que se manifestassem contra o regime. A ação do Partido Republicano Iraniano, seria cruel contra todos aqueles que eram contra o regime que estava sendo implantado.

Retirada do Brasil Escola
Todo esse processo abriu o caminho para a ascensão do aiatolá Khomeini e alterou o equilíbrio no Oriente Médio, gerando resquícios em outros países como a Arábia Saudita. Coggiola chama atenção para as múltiplas raízes históricas e políticas que ficam ocultas quando a simplificação racionalista qualifica a revolução iraniana de islâmica, apresentando-a como um evento basicamente reacionário. Por isso, a necessidade também de se entender as contradições de um pais complexo, assim como uma visão geopolítica mais abrangente, oferecendo por fim um contraponto à atual visão apresentada na cruzada mundial contra o “terrorismo islâmico”.

Mostrar, também o papel da mídia e dos EUA no processo revolucionário e, logo depois dele, colocando todos os muçulmanos, árabes e islâmicos no mesmo saco, fazendo com que a maioria das pessoas olhe esses paises de maneira diferenciada, não conseguindo entender suas particularidades e ver que os principais agentes destruidores dessa cultura, e do modo como eles estão vendo o ocidente, foi a política aplicada, principalmente, pelos americanos.

Concluo, dizendo que este livro é muito importante para o entendimento da revolução iraniana, e depois da ditadura xiita, acredito que esse último conceito, está mais próximo da realidade esboçada na segunda fase.



Referências:
COGIOLLA, Osvaldo. A Revolução Iraniana. Editora UNESP, 2008. In: Revoluções do Século 20/Emília Viotti da Costa.
COGIOLLA, Osvaldo. Movimento e pensamento operário antes de Marx. Editora Brasiliense,1991.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…