Pular para o conteúdo principal

O Caboclo pergunta: "Onde está minha Cabocla?" Dizem que está em São Félix, será verdade?

O Caboclo da Dois de Julho
Ah! Como eu gosto de fazer meus conterrâneos mostrarem realmente a verdade que nunca quer ser dita e que permanece omitida por órgãos de imprensa e por grandes historiadores acadêmicos de plantão. Eu não consigo deixar de acreditar que um dia todos esses discursos irão mudar e outros surgirão na busca de novas soluções.

O dois de Julho é um data importantíssima para a Bahia e para o Brasil, apesar deste último não reconhecê-lo devido o fato de ter ocorrido primeiro no Nordeste e não no Sudeste. Se não fosse por nós, nordestinos arretados de plantão, a independência poderia demorar um pouco mais, mas como não gostamos de ficar submissos à uma realidade nua e crua, falamos e resistimos, lutamos e reivindicamos nossos direitos.

Portanto, é de arrepiar, saber que pouca gente sabe que a Cabocla Sanfelista é Maragogipana, e está lá já faz um bom tempo, quase uns trinta anos. Segundo me consta, foi no governo de Plínio Guedes que o empréstimo foi efetuado e de lá até cá, a Cabocla virou a tradição de São Félix, essa não precisa ser desfeita, pois todos os anos, nessa época, os maragogipanos poderiam emprestar novamente a Cabocla e as comemorações aconteceriam, basta o consenso. Mas a pergunta que não quer calar é: Porque nenhum secretário de Cultura, prefeito, vereador, ou representante da sociedade organizada, ou o próprio representante da instituição que deveria ter a Cabocla sob posse não reivindica os nossos direitos? Porque nós maragogipanos sempre temos que ficar com a maldita fama de morarmos na terra do já teve?


Questiono porque sei que Maragogipe teve uma importância enorme no Dois de Julho e a história conta isso, apesar de poucos historiadores omitirem sobre essa questão. Muitos omitem o próprio Dois de Julho que não é retratado em alguns livros didáticos para os nossos alunos, quanto mas a história de uma cidade que ninguém dá importância para sua história. Nós, maragogipanos nos acostumamos ao fato e a espera de outras pessoas. São essas em sua maioria que conta a nossa história. A própria prefeitura, e aí vale a crítica para o secretário de Cultura e Turismo Luis Carlos Brasileiro deixam sempre para o depois a nossa história, os livros que podem ser criados com os conhecedores da nossa história, ou o banco de dados virtual que pode ser criado sem muitos custos, basta colocar uma pessoa a disposição, um historiador ou um museólogo para que o mesmo fique disponível a fazer entrevistas, coletar informações, criar livros e etc...

Com isso, lembro e recordo novamente os diversos Museus que seriam instalados aqui em Maragogipe - Carnaval, do Mar, até o ministro Gilberto Gil veio aqui e cadê??? Andou ou estagnou?

A Dois de Julho, que apesar de aniversariar no Sete de Setembro é a dona da Cabocla, nós maragogipanos exigimos que os representantes tomem uma satisfação das autoridades competentes e se unam na busca da nossa história.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…