Pular para o conteúdo principal

A problemática da política pedagógica da Educação Brasileira

Sei que não sou a melhor pessoa para falar sobre esses temas, apesar de ser professor por 15 anos, pratiquei e não estudei sobre o assunto. Reconheço a minha deficiência em diversas questões dos temas aqui tratados até o presente momento, mas tudo são ideias e elas já estão enraizadas na minha mente e por esse motivo quero passá-las para vocês, caros leitores, justamente nesse dia que está sendo dedicado a minha verdadeira profissão. Vale ressaltar que toda raiz pode ser arrancada do meu cérebro a qualquer momento, basta que alguém seja mais eficiente no que concerne ao debate.

Seria interessante se todo o professor tivesse esse momento mágico de refletir a sua profissão e buscasse passar para a maioria das pessoas possíveis que é possível sim um mundo melhor, com pessoas melhores e para que isso ocorra é preciso EDUCAÇÃO.

Se os pedagogos me ouvissem neste momento, eles com toda certeza me enforcariam. Mas vale ressaltar logo de cara, que não posso tapar o sol com a peneira, sendo assim, estaria sendo hipócrita não querendo enxergar que o problema social e cultural é muito maior do que o problema político pedagógico. Este último só existe por causa dos dois anteriores e foi por esse motivo que escrevi sobre eles primeiro.

Todavia, qualquer problema continua sendo um problema e precisamos tratar deste também. Quero trazer neste momento, tema que é tratado em diversos debates que é a política pedagógica, sabe-se logo de cara que é a partir dela que se institui a progressão continuada, que na prática resume-se na perda de motivação para o aprendizado do aluno, pois este sabe que não precisará fazer esforços para passar de ano.

Com isso, o professor torna-se impotente perdendo sua autoridade, pois a nota acaba não tendo valor. Em conseqüência disso, a indisciplina se institucionaliza e a escola, como falei no texto sobre o problema cultural da Educação Brasileira torna-se o local do encontro, da amizade, do namoro, da sociabilidade, mas quase nunca do ensino.

Esse fator ainda torna-se mais destruidor na vida dessas crianças e jovens pois grande parte das crianças acabam terminando o primeiro ciclo sem saber ler e escrever, chegando ao ponto de no ensino médio serem analfabetos funcionais, sendo incapazes de interpretar um texto. Isso ocorre porque o aluno não consegue aprender novas competências por causa de déficits de aprendizagem em séries anteriores.

O aluno sente dificuldade de desenvolver novos esquemas mentais e conhecimentos necessários exigidos. Dessa forma, ele não consegue assimilar os conteúdos e habilidades necessários para seguir em frente.

Percebe-se portanto, que depois da família, dos amigos e vizinhos, da comunidade, a escola surge como o fator extensivo desses locais, pois os pais e responsáveis não tiveram autoridade no seu ambiente, e ainda querem repassá-la ao professor. Este por sua vez, não aceita ficar com a bola-problema na mão, pois crê que a educação deve partir de casa.

Com isso, a problemática cultural e social faz com que as crianças e jovens vivam em um constante Estado de Alerta, como diz Fex, em sua música para o grupo Filosofia de Rua. Este e outros motivos acabam levando ao aluno para um caminho sem volta, um caminho que os seus pais e responsáveis trilharam e que herdaram de seus avós. Ser um ser com baixo nível educacional num país como o Brasil, nos dá como futuro a incerteza das mudanças e melhorias. Exemplos temos de sobra, e não há necessidade de relatar nenhum neste momento. O que nos resta é agir para melhorar todo esse sistema bruto que só faz minar ainda mais a nossa sociedade. 

O problema não é o professor em si só, mas sim toda uma estrutura político e social.

PROPOSTA PARA MUDANÇA DA POLÍTICA PEDAGÓGICA
  1. Acabar com a progressão continuada num prazo de 10 anos, pois sabemos que nada que acabe de vez é salutar. É preciso conscientizar as pessoas que elas precisam estudar!!
  2. Criar mecanismos de incentivos à educação, à leitura, às artes, à cultura.
  3. Valorizar o professor sempre!! Basta lembrar que foi ele o responsável por você estar lendo este texto;
  4. Se o professor é ruim, critique-o. Todos merecemos ouvir o que precisamos ouvir. Se o professor está errado, ele merece ouvir dos próprios estudantes, e não de terceiros;
  5. Se és professor, posicione-se com relação à sua profissão e não deixe que interferências negativas façam parte da sua vida profissional. Ao contrário, pegue todas as referências positivas e implante-as na sua vida, respeitando às diferenças;
  6. Seja profissional, não passe nenhum aluno que não mereça. Mas lembre-se dos fatores sócio-culturais, às vezes, é melhor ter um aluno deficiente na escola, do que na rua.
  7. Brigue, esperneie, faça valer os nossos direitos como cidadãos.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…