Pular para o conteúdo principal

Relatos da experiência de uma vida de 15 anos de ensino, por Zevaldo Sousa

Hoje, dia 15 de outubro de 2011, resolvi fazer textos de referência a minha verdadeira profissão. Uma profissão que foi forçada em minha vida, mas que por motivos de ética e de respeito, exerço-a com todo amor e devoção. Continuo aprendendo a cada dia que passa, a amar a História, disciplina que faz parte da minha vida, desde esse dia em que você está lendo este texto, até o início daquilo que chamamos por Humanidade. Não estou escrevendo ao contrário, escrevo na direção correta, pois nenhum ser humano é fruto de sua contemporaneidade, mas sim do seu passado e esse é longínquo.

Tem 30 anos de idade e 15 anos de ensino, posso sem sombras de dúvidas dizer que já ensinei em todo e qualquer tipo de instituição, desde a escolar particular, o cursinho pré-vestibular pago e gratuito, a escola pública municipal e estadual, assim como no ensino fundamental I e II e médio, só não ensinei nas escolas federais, mas acredito que esse não será grande problema, pois o que estou propondo escrever está nas nossas bases e essa eu conheço muito bem.

Nas minhas aulas, gosto sempre de citar que todos vivemos do passado e nós somos museus vivos, pois a cada segundo que se passou, interagimos com objetos que não foram criados por nós, mas por alguém, no passado e, se analisarmos bem até as nossas criações estão no passado. A história, portanto, está presente em nossa vida, e nós precisamos conhecê-la, mas o fato que mais marca na educação é que a nossa identidade não é esboçada, nem tampouco tratada nos bancos escolares e, o que percebo é que grande parte dos professores não tem a mínima vontade de aprender novidades, nem tampouco de sair da sua própria rotina. Isso vale para todas as disciplinas e não só para o ensino de História.

Percebe-se, portanto, que na educação brasileira existem vários problemas, e eu gostaria de tratar sobre cinco grandes problemas:  O Cultural, o Social, o Político Pedagógico, o Estrutural e de Valorização da Educação. Todas essas situações se encaixam perfeitamente no maior problema de todos que é político e este terá como referência o retorno a longo prazo, e por esse motivo, nenhum mandatário deseja investir na educação como deveria, pois eles precisam de resultados para as próximas eleições, então negligenciam a educação para investirem em obras que darão visibilidade imediata, ou quando fazem um projeto para a educação, é algo mirabolante, que enche os olhos, mas não dá resultado. Nas últimas décadas, o governo criou diversos mecanismos que deram um novo sentido ao papel do Coordenador - que na maioria das vezes é um agente político infiltrado dentro da escola, servindo muito mais como dedo-duro do que como coordenador -, como exemplos cito a progressão continuada, os ciclos, a avaliação contínua, a recuperação paralela, que sem sombras de dúvidas deram um novo sentido ao conceito de escola, mas não trouxe grandes resultados. Enquanto isso, a educação continua sendo desvalorizada e com ela o professor continua sendo idem, e continua tendo que lidar com pessoas (alunos) que não entendem ou não querem entender o sentido de se educar.

Outros problemas são uma constante nas nossas vidas, os livros didáticos são exemplos e como a maioria das pessoas não valorizam os livros, nossos filhos fazem o mesmo. 

Temos também na nossa educação, professores não capacitados para exercer tal profissão, assim como também temos professores capacitados em uma área, exercendo sua profissão em outra área. E tudo isso está envolvido principalmente, com a política municipal. Por esse motivo, a classe fica desvalorizada, e o político tem a desculpa em dizer que não investirá em educação se não se tem profissionais capacitados, gabaritados na área e sobretudo, se não temos uma sociedade que faça a cobrança e que se posicione. Calados ficamos e por esse motivo, os nossos representantes fazem o que querem.

Nas escolas da rede pública de educação básica, faltam bibliotecas, laboratórios de ciência e de informática, falta constantemente merenda escolar e transporte. A ausência de recursos didáticos é outro paradigma e isso dificulta o aprendizado, acontecendo a decadência da escolaridade. Sendo assim, o cidadão acaba dizendo que a escola pública não presta. Com toda certeza, é frequente o descaso com o ensino público e por esse motivo, não há esperança, não há mudança.

Além de tudo isso, o problema ainda surge dentro da própria família, fazendo com que crianças e adolescentes não tenham vontade em aprender. É com essa temática que exercitaremos nosso debate na próxima postagem.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…