Pular para o conteúdo principal

Eleição de Maragogipe em 1992: Rubinho versus Teixeira



Por Francisco Gomes

No ano em que a América fazia 500 anos de descobrimento, o Rio de janeiro sediava a Eco-92 e a juventude cara pintada invadia as ruas do nosso País pedindo o Impeachment do Presidente Collor, em Maragojipe acontecia uma das eleiçãoes mais marcantes da nossa história.

As Eleições de 1992 foram marcadas pela beleza das campanhas promovidas pelos  dois únicos candidatos que disputaram, pela criatividade de ambos os lados e principalmente pelo surgimento de novas lideranças.  Bartolomeu de Ataide Teixeira versus Rubem Guerra Armede, o primeiro era o candidato do Prefeito Domingos de Mello e Albuquerque e do então Governador Antonio Carlos Magalhães, ele tinha, portanto as duas máquinas a seu favor; já o segundo se agarrava na esperança do grito que estava preso na garganta do povo pelo episódio ocorrido na eleição anterior onde o mesmo perdera por 38 votos e ficou no ar a suspeita de fraude.

MARAGOJIPE LEVANTE A BANDEIRA E GRITE BEM ALTO EU VOU VOTAR EM TEIXEIRA” dizia o refrão de uns dos mais belos jingles da história da nossa política. Os teixeiristas como eram conhecidos os eleitores do PFL, que tinha como legenda o número 25, além da máquina a seu favor diziam que “limpo”, no sentido da falta de dinheiro, não ganhava eleição e davam como certo o retorno do líder a prefeitura.

Dois fatos positivos  marcaram bastante a campanha de Teixeira: O comício da paz, realizado  no Cajá onde todos vestiram-se de branco e contou com a presença do então vice-governador Paulo Souto; e a chegada de Teixeira na rua do Rio, quando este chegava de Salvador, onde estava resolvendo problemas que poderiam deixá-lo inelegível. Como é peculiar em nossa cidade, o  boato que a sua candidatura havia sido impugnada, já corria os quatro cantos, quando os alto falantes do carro de som de Pescoço da Oficina ecoavam pelas ruas da cidade conclamando o povo para ir buscar Teixeira na rua do Rio. Uma grande passeata se formou rapidamente com milhares de pessoas vestidas com a camisa do 25 carregando suas bandeiras e a certeza da vitória voltou, era Teixeira na cabeça e realmente parecia que iria ser.

Mas aí, entrou em campo a juventude maragojipana que encorajada pelos caras-pintadas resolveram ir para as ruas gritar que era 12, 12, 12, 12. Rubinho era a juventude no poder.

Nessa época, eu era estudante do Colégio Polivalente de Maragojipe, onde cursava o 2º ano de magistério. Fui honrosamente convidado por Rubinho para ser um dos coordenadores da sua campanha. Imagine aí, me senti o cara! Tinha na cabeça uns versos do amigo Leleco que diziam assim: “Se o outro dê dinheiro tome e gaste todinho, na hora de votar, vote em Rubinho” logo os transformei numa marchinha que conquistou a galera do 12, quando era dia de comício as meninas, que trabalhavam no comitê conhecidas por rubinetes saiam pedindo aos apoiadores e comerciantes ligados ao grupo ajuda financeira para custear as despesas. 

A campanha estava embolada e ninguém sabia quem seria o prefeito, as pesquisas feitas pelo saudoso Deputado Gastão Pedreira davam um ligeira vantagem para Rubinho mas dentro da margem de erro.

No dia 25 de Setembro de 1992, o congresso votou o Impeachment do Presidente Collor e isso ajudou bastante a campanha do 12, a juventude cara pintada derrubou o Presidente que tinha o apoio do então Governador ACM, que apoiava a candidatura de Teixeira, logo realizamos um grandioso comício na praça, me lembro claramente de vários jovens maragojipanos que comandavam a linha de frente da passeata após o comício: Digal, Silvinho do Cajá (Ataliba), Rubinho de Rubem retratista (Lameira), Jota de Vital, Luizinho do Porto (Lula), Pida e Zavo  de Coimbra, Carlinhos de Tote, Paulo Nobre, Claudio de Simião e muitos outros como eu que alí naquela campanha  iniciaram efetivamente a sua trajetória política.

Tive a oportunidade de fazer para Rubinho um belo jingle chamado “A LUZ DO AMANHÔ que se transfomou no hino da campanha. Era muito bonito e emocianente ver a galera do 12 cantar:
AXÉ MARAGOJIPE, CHEGA DE OPRESSÃO RENOVAÇÃO URGENTE, ESSA É A SOLUÇÃO O CAMINHO MAIS CERTO PRA ESSA TERRA PROGREDIR, É O GRITO DO POVO, É RUBINHO QUE VEM AÍ,
  É! É! É! RUBINHO QUE O POVO QUER! (REFRÃO) AMIGOS DE SÃO ROQUE, COMPANHEIROS DO GUAÍ,  LEVANTE ESSA BANDEIRA, É RUBINHO QUE VEM AÍ TODO POVO DE COQUEIROS, MINHA GENTE DE NAJÉ,  CANTEM COM BEM MAIS FORÇA, É RUBINHO QUE O POVO QUER. SANTO ANTONIO DE ALDEIA, SERRARIA E BATATÃ, ESSE POVO ILUMINADO, PELA LUZ DO AMANHÃ, PIEDADE E GUAPIRA, O TEU POVO VAI CANTAR, DIA 03 DE OUTUBRO É RUBINHO PRA RENOVAR

Quando o sol disvirginou a madrugada do dia 03 de outubro de 1992,  a luz do amanhã brilhou, e ficou claro a vitória do 12, pelas ruas só se ouvia é 12, é 12, 12, 12, 12. A tarde quando sol no horizonte abria o caminho para noite chegar, os foguetes anunciavam deu 12 na cabeça com 946 votos de frente. Nunca esquecerei daquela campanha, nunca esquecerei do amigo Rubinho. Teixeira sempre será lembrado como pai dos pobres.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…