Pular para o conteúdo principal

A Pirâmide Invertida - historiografia africana feita por africanos (Carlos Lopes)

Neste momento, você terá a oportunidade de ler um pouco do fichamento do texto de Carlos Lopes "A Pirâmide Invertida - historiografia africana feita por africanos.

Na introdução Carlos Lopes tenta traçar uma “apresentação crítica dos argumentos avançados pelos três grandes momentos de interpretação histórica da África” (LOPES; 1995). Para ele a historiografia deste continente tem sido “dominada por uma interpretação simplista e reducionista”, mas antes do autor começar a falar sobre estes momentos, ele demonstra um paralelo da historiografia africana com um momento “em que os historiadores estão cada vez mais próximos do poder”, e afirma que estes historiadores são todos de uma mesma escola historiográfica que proclama “a necessidade de uma reivindicação identitária”, citando como exemplos “de uma interdependência entre a História e o domínio político

“Inferioridade Africana”


É através do paradigma de Hegel - o "fardo" do homem branco -, que o ocidente conheceu durante muito tempo a História da África. O filosofo alemão Hegel traça consideração sobre a chamada África Negra, ou seja, a região do continente localizada além do deserto do Saara, demonstra que a África não tem história antes da colonização e que ela precisava do da civilização europeia para ter uma história consciente. Todavia, com a chegada de novas correntes, este paradigma fracassará, havendo uma mudança na interpretação histórica.

Carlos Lopes pergunta em seu texto: “A que se deve esta “inferioridade Africana”?”. A resposta está nas suas raízes e cicatrizes. Lopes diz que “suas raízes são profundas e suas cicatrizes demoram a desaparecer”, as bulas papais deram direitos aos países europeus, principalmente, aos países católicos, sobre os povos negros. Para isso, Lopes demonstra exemplos artísticos e em outros campos do conhecimento que estão ou foram feitos em solo africano e que os europeus reclamam sua influência. Para Lopes “a inferioridade Africana foi fortificada” ainda “pela estrutura da colonização, suposta incluir a dominação física, humana e espiritual.”, e esta estrutura impõe um olhar dicotômico sobre África e africanos. Porém ele demonstrar que essa corrente é dominada por historiógrafos não africanos.

“Superioridade Africana”

Joseph Ki-Zerbo, historiador
Mas como toda história, temos sempre o lado oposto. E neste caso, os historiadores africanos formaram sua própria corrente historiográfica. Ki-Zerbo gostaria e muito de chamá-la de "Corrente da pirâmide invertida”. Neste momento Ki-Zerbo vai usar “o argumento do também temos em vez de apenas temos história” influenciando vários historiadores contemporâneos. Porém essa corrente buscou também outro objeto que não era apenas História presente-passado, eles queria fazer um história do amanhã, fora isso numa “busca incessante de fatos produtores de uma projeção da historicidade reconhecida” fizeram uma comparação com os modos historiográficos de outras regiões do mundo, principalmente, européia, com a historiografia africana. Assim fizeram uma História “das interações e dos oprimidos” que se concentra “nas mudanças sociais, na contribuição africana, na resistência ao colonialismo e no conceito de iniciativa local”. Essa corrente vai mostrar que a civilização ocidental bebeu do conhecimento negro.

Historicidades complexas face a historiografias ideologizadas.
Neste momento, Carlos Lopes mostrará que “o produto historiográfico não tem nenhuma independência ou autonomia, depende inteiramente do momento e ideologia que influenciam a sua concepção”, numa abordagem que visa a demonstração de que nada é para sempre e tudo está sempre em mudança, desde a história até a historiografia, por isso essa corrente influenciada pela Nova História vai demonstrar que não podemos viver uma ideologia ao escrever história, devemos sim perceber que a história tem um sentido de explicação no âmbito passado-presente e não no passado-futuro.

Emoções controladas
Depois de tantas transformações, Carlos Lopes reconhecerá que a historiografia africana terá suas emoções controladas, e que naquele momento era preciso “afinar as técnicas, conhecer as tendências transnacionais, e quebrar as barreiras e tradições impostas pelas línguas oficias”. Com o entendimento de que não podemos prever o futuro e “hesitando em descrever o passado recente e querendo quase apagar largas porções do passado remoto são indicações de desconforto que exigem uma reinterpretarão histórica”. Por fim, Lopes afirma que podemos descobrir a nossa história com a interpretação coerente da História da África.


Bibliografia:

LOPES, Carlos. “A Pirâmide Invertida - historiografia africana feita por africanos”. In Actas do Colóquio Construção e ensino da história da África. Lisboa: Linopazes, 1995.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…