Pular para o conteúdo principal

O Terreiro Ilê Axé Alabaxé,– “"A Casa que Põe e Dispõe de Tudo"

É com muito pesar que noticiamos o falecimento do Babalorixá Edinho de Oxóssi, será muito justo neste momento, republicarmos a história do Terreiro lIê Axé Alabaxé,– “"A Casa que Põe e Dispõe de Tudo", um local com que o nosso babalorixá tem suas intimidades reveladas. Sabendo que seria do agrado de muitos maragogipanos que desejam conhecer a nossa história, resolvi publicar esse texto e uma entrevista concedida pelo Babalorixá Edinho de Oxóssi encontrada no site (http://alabaxe.xpg.uol.com.br/)

Oxóssi


O Terreiro lIê Axé Alabaxé,– “"A Casa que Põe e Dispõe de Tudo"  
A cada ano, após a colheita, o rei de Ijexá saudava a abundancia de alimentos com uma festa, oferecendo à população inhame, milho e côco. O rei comemorava com sua família e seus súditos só as feiticeiras não eram convidadas. Furiosas com a desconsideração enviaram à festa um pássaro gigante que pousou no teto do palácio, encobrindo-o e impedindo que a cerimônia fosse realizada.

O rei mandou chamar os melhores caçadores da cidade. O primeiro tinha vinte flechas. Ele lançou todas elas, mas nenhuma acertou o grande pássaro. Então o rei aborreceu-se, mas mandou-o embora.

Um segundo caçador se apresentou este com quarenta flechas o fato repetiu-se novamente e o rei mandou prendê-lo. Bem próximo dali vivia Oxóssi, um jovem que costumava caçar à noite, antes do sol nascer ele usava apenas uma flecha vermelha. O rei mandou chamá-Io para dar fim ao pássaro. Sabendo da punição imposta aos outros caçadores, a mãe de Oxóssi, temendo pela vida do filho, consultou um babalaô e os obis mostraram que, se fosse feita uma oferenda para as feiticeiras, ele teria sucesso.

A oferenda consistia em sacrificar uma galinha. E na hora da entrega, dizer três vezes: que o peito do pássaro receba esta oferenda! Nesse exato momento, Oxóssi deveria atirar sua única flecha. E assim o fez, acertando o pássaro bem no peito. O povo então gritava: Oxó Wussi (Oxó = popular), passando a ser conhecido por Oxóssi.

O rei, agradecido pelo feito, deu ao caçador metade de sua riqueza e a cidade de Kêto "terra dos panos vermelhos", onde Oxóssi governou até sua morte, tornando-se depois um orixá.

Manoel Rufino
No candomblé existe o fundamento, que corresponde a todo conteúdo simbólico para o entendimento da religião. É neste espaço que se dá o domínio, o uso e a utilização de um elemento fundamental - o Axé , força vital produzida pela sabedoria daqueles que fazem a mediação entre o sagrado e o mundo dos homens. A transmissão desse Axé acontece de forma hierarquizada, onde a relação entre os orixás e seus filhos possibilita a troca desta força vital, traçando e determinando destinos. Como cita Monique Augras: "Recebe-se o Axé das mãos e do hálito dos mais antigos (pessoas que conservam os textos sagrados na memória), de pessoa a pessoa, numa relação interpessoal dinâmica e viva. Recebe-se através do corpo e em todos os níveis da personalidade, atingindo os planos mais profundos pelo sangue, os frutos, as ervas, as oferendas rituais e as palavras pronunciadas". (1983, p.68).

É neste contexto que se dá a criação do Terreiro Ilê Alabaxé, regido pelo orixá Oxossi.

A linhagem ancestral do llê Axé Alabaxé tem origem no momento em que Miguel Arcanjo, do Orixá Xangô Airá, do Terreiro llê Amoraxó, inicia o sr. Manoel Rufino de Oxum - lyaminkilanje, cuja dijina era Urudasamba, do Jlê Axé Tomin Bokun, de "nação" bantu, situado no Beiro e falecido em 21 de maio de 1983.

Em 10 de Janeiro de 1952, na localidade de São Francisco do Paraguaçu, no município de Cachoeira, no Terreiro llê Jitundê, Sr. Lício de Souza Moraes foi iniciado pelo Sr. Manoel Rufino (Foto Acima) para o orixá Omolú.

O Ilê Jitundê foi fundado em 1921, pelo Babalorixá Lício ainda quando abiã (noviço), onde realizava suas festas há mais de quinze anos antes da sua iniciação. O Ilê Jitundê, após o falecimento do Babalorixá Lício em 26 de outubro de 1986, continua mantido pelo Babalorixá Edinho, conservando o calendário de festas juntamente com seus irmãos. Verger. Pierre. Lendas Africanas dos Orixás, Editora Corrupio, São Paulo, 1987.

Segundo Pai Edinho, depois que Pai Lício faleceu, ele assumiu a posição de Babalorixá no Ilê Jitundê, pois Pai Lício havia registrado na Federação de Culto Afro o cargo de sucessão dele. Portanto, todas as obrigações realizadas no Ilê Jitundê têm Pai Edinho à frente. Pai Lício sempre foi um amigo, segundo relata Pai Edinho. Nas obrigações que eram realizadas no Ilê Jitundê ele se fazia presente, assim como nas obrigações que eram realizadas no Ilê Alabaxé, Pai Lício também participava. O calendário de festas do llê Jitundê mantém-se nas mesmas datas: 10 de Janeiro acontece a festa para o orixá Omolu dia de Santa Cruz ou Corpus Christi se realiza a festa para Oxossi e no dia 29 de Junho, dia de São Pedro, acontece a festa para Xangô.

Pai Edinho foi iniciado pelo Babalorixá Lício de Souza Moraes em 2 de Fevereiro de 1964, aos 17 anos, sendo o dofono (primeiro iyaô na iniciação) de um barco de três iyaôs - Oxossi, Nanã e Obaluaê. Cumpriu todas as obrigações de 01,03,07 e 14 anos com Pai Lício.

Em 2 de fevereiro de 1971, pai Edinho torna-se Babalorixá e em 1973 funda o Terreiro Ilê Axé Alabaxé, de "nação" Kêto, situado no município de Maragojipe, no Recôncavo da Bahia. Segundo Pai Edinho, tudo aconteceu a partir de um problema de saúde, quando mandaram que ele procurasse uma casa. Lá, ele fez os trabalhos e a primeira obrigação.

Permaneceu por dois anos como abiã (não iniciado), estava com 14 anos, sem que melhorasse a sua saúde. Após a iniciação os problemas foram sanados, o que possibilit.ou Pai Edinho trabalhar, pagando as obrigações. Após os sete anos de iniciado, instalou-se onde atualmente é o Ilê Alabaxé "

Era ainda um chalé, uma casinha humilde, eu consertei, reformei e trouxe o meu santo. Com dois anos de iniciado eu comprei, era dia 13 de junho. É aqui a minha morada. Eu quis fazer para o meu Orixá".

As dificuldades apontadas por Pai Edinho não o desanimaram, pois contou com a cooperação de pessoas a ele ligadas por laços de afetividade, como Sr. Domingos, que exerce o cargo de Axogum, Nunga, Dona Mô e Sr. Hermano, que o apoiaram durante seu resguardo na iniciação e durante a sua trajetória religiosa. Segundo relata Pai Edinho, quando ele fundou o Terreiro teve que arranjar fio de telefone, para colocar luz. No barracão as pessoas comiam e dormiam, a cozinha e o banheiro eram cobertos de lona. Houve muita dificuldade, mas sente-se vencedor.

Hoje o Ilê Alabaxé é uma referência religiosa no município de Maragojipe e em outras localidades, pois conta com mais de 200 filhos, em Maragojipe, Salvador, Sapeaçu, Cruz das Almas, Feira de Santana, Alagoinhas, Candeias, Madre de Deus, Rio de Janeiro, São Paulo, Belém do Pará, Minas, Rio Grande do Sul e Estados Unidos.

A relação familiar existente entre Pai Edinho, seus irmãos e filhos, baseada principalmente no respeito aos preceitos religiosos, faz com que os laços se tornem mais sólidos e por isso o companheirismo e a solidariedade se fazem presentes no Ilê Alabaxé.

Segundo Vivaldo da Costa Lima. (2003p 161): "Os laços familiares criados no candomblé através da iniciação no santo não são apenas uma série de compromissos aceitos dentro de uma regra mais ou menos estrita, como nas ordens monásticas e fraternais laicas, iniciáticas ou não são laços muito mais amplos no plano das obrigações recíprocas e muito mais densos no âmbito psicológico das emoções e do sentimento. São laços efetivamente familiares: de obediência e disciplina de proteção e assistência de gratificação e sanções de tensões e atritos - tudo isso existe numa família e tudo isto existe no candomblé".

A convivência entre as pessoas que fazem parte do Ilê Alabaxé é retratada através do relato de Pai Edinho: "Eu tenho clientes de 40 anos que ainda me acompanham. Minhas três primeiras filhas continuam comigo, vão fazer no dia 06 de Agosto próximo 33 anos de santo. São minhas amigas, uma vai fazer 80 anos em fevereiro, já está se arrumando para a festa. Nós tínhamos urna Ekede-Iyabassé (zeladora da cozinha para os orixás) Maria Gertrudes da Conceição.

Tombamento do Terreiro de Candomblé Ilê Axé Alabaxé
Entrevista:
Babalorixá Edson dos Santos ( Pai Edinho do Alabaxé )

P. Quem foi Miguel Arcanjo?

Miguel Arcanjo
R. Miguel Arcanjo foi uma pessoa muito importante pra a minha vida. Porque foi a pessoa, o Babalorixá, que deu iniciação ao meu Avô de Santo, Rufino do Beiru. Mjguel Arcanjo deixou uma parte muito rica de Filhos, porque ele teve uma mão abençoada por Olorum e que todos os Filhos que ele botou no mundo tiveram progresso na vida e tiveram uma virtude muito grande e muito importante no Axé. Foi ai que ele fez o senhor Rufino do Beiru, d'Oxum, que veio reinar no Beiro, foi muito conhecido por todos os Babalorixás e lalorixás importantes, como dona Menininha do Gantois, que era pessoa que dava muito amor, muito carinho à seu Rufino. E outras lalorixás, Babalorixás. Ele era muito respeitado na sua religião e na sua maneira de ser. E de lá do Beiro ele trouxe o Axé da Casa dele e veio trazer ao meu Pai de Santo, em São Francisco, Lício de Souza Moraes. Lício foi iniciado em São Francisco do Paraguaçu, pelo Babalorixá Rufino d'Oxum.

P. Qual era o Orixá de Miguel Arcanjo?

R.Airá. a arixá de cabeça dele era Airá. Ele era do Terreiro Amoraxó, conhecido como o Babalorixá do Amoraxó, em Salvador. O Terreiro d'Oxum, de seu Manoel Rufino, vai de 80 a 90 anos de fundado.

Lício de Souza - Ilê Jitundê
P. a senhor poderia falar do Terreiro Jitundê?

R. O Ilê Jitundê foi fundado pelo Babalorixá Lício de Souza Moraes, ainda sendo Abiã. Ele tinha roça de candomblé, já tàzia as suas festas há mais de 15 anos. É quando o senhor Manoel Rufino veio pra São Francisco do Paraguaçu recolher ele. Que veio com Zinho Peixeiro - que é vivo ainda. Mutimuzambi, que já foi, foi Mãe Pequena dele e o Santo foi feito ai em São Francisco do Paraguaçu, em 1° do ano de 1952. Meu Pai de Santo foi iniciado em 1952, mas já tinha Casa aberta quando o senhor Manoel Rufino veio fazer o Santo dele. E de lá ele veio ter outros Filhos de Santo, antes de mim. Meu Barco foi em 64, com 3 Iyaô. Barco de 3: Dofono d'Oxossi, que sou eu minha Dofonitinha de Nanã, Nair, e minha Fomo d'Obaluaê. O nome do Orixá foi no dia 2 de fevereiro de ]964. Eu tinha 17 anos.

P. Porque o senhor se iniciou?

R. Por doença, por necessidade própria, eu tive de recorrer ao candomblé. Destino da vida. E eu fui à Casa de uma pessoa que eu nem conhecia. E Ia foi o Santo. O lugar que o Orixá quis, aceitou. E eu fiz o Orixá. Iniciei fazendo Santo, cumpri minha obrigação de 1 ano, 3 anos, 7 anos, 14 anos, 21 anos, com o mesmo Pai de Santo. Eu só tive um Babalorixá. Cumpri todas as minhas obrigações, foi meu amigo até a hora que Deus levou. Quando ele ia recolher Iaô eu ia pra a Casa dele. Quando eu ia recolher Iaô ele vinha pra a minha Casa. Às vezes ele viajava, deixava-me tomando conta dos filhos de Santo dele, eu ainda Iaô. E depois que eu tomei o cargo eu trouxe meu Santo e dei continuidade a Roça. Nunca faltei a uma festa na Casa de seu Lício.

Falando sobre a mãe:

Minha mãe sofreu muito por não tratar. Chegou ao ponto de ir pra uma Casa, em Salinas, de dona Vitória, pra fazer as obrigações. Fazer alguma coisa. E quando meu pai tomou conhecimento que ela ia raspar a cabeça, meu pai foi e tirou ela. Não deixou fazer a obrigação. Nisso, minha mãe ai começou se acabando. Bebia de cair na rua, eu garotinho saia pra ir buscar minha mãe. Eu a panhava levava pra casa, ela saia de novo pra ir beber e ai pronto: passou pegar um escravo. O escravo bebia, depois quebrava a garrafa, comia aquele vidro, que era um sufoco na família. É ninguém gostava e ninguém aceitava. Ela não deixava a gente ir em candomblé ver nada. Ela não deixava. E minha mãe, tinha uma parte que ela não aceitava, mas na mesma hora ela sabia que existia um negócio que pegava ela. Ela perdia os sentidos, mas sabia que pegava. Ela não desfazia, mas não aceitava. Quando foi no dia 2 de julho, primeiro ela teve um derrame, que ficou 3 anos em cima da cama, aleijada. Eu, com 8 anos, trabalhava pra sustentá-Ia. Eu ia pro mangue tirar marisco, tirar madeira de mangue pra o povo fazer chouriça. Ela trabalhava na Suerdieck, não pôde mais trabalhar. Eu ia ver a pesada de fumo e trazia pra casa eu que abria e levava. Eu era de menor e não podia, mas, por eu ser o filho que estava sustentando a mãe então era feito, na Suerdieck. Trabalhava em casa de fazer chouriça, carne de fumeiro, essas coisas casa 9ue fazia vinagre, eu ia fazer entrega de vinagre nas vendas, pra ganhar dinheiro. Aqui tem um l~gar que chama Japão, Ladeira do Japão. Então aquelas casas não tinham água encanada. Eu saía com lata na cabeça- carregando, enchendo os barris, eram barris de madeira. Enchendo pra no sábado ter aquele dinheiro pra fazer uma feirinha pra sustentar minha mãe. Até o dia que ela pediu, queria que eu entrasse na Escola de Menores, porque sabia que ela ia morrer e eu ia ficar à toa. Chorou muito, sabia que eu ia ficar à toa. Quando foi 2 de julho eu fui pra uma casa em Itacaré, quando eu fui ver a Escola de Capanema, de escrever. Ai me falaram que tinha um candomblé em ltacaré e eu passei. E nesse candomblé que eu passei esse caboclo me pegou, 2 de julho, e disse que não ia embora. Que não ia embora por que ele disse que era da minha mãe e minha mãe só teve vida até aquele dia. Que ele já tinha me pego e que ia ficar comigo. Isso foi em 2 de julho - ele não foi embora - de 1961. No dia 3 (tinha uma novela Bianca, que era no radio) ela tava escutando quando ela passou maL Ela chamou minha irmã: ''Tonha, me segure aqui que eu estou morrendo". Tonha disse: "mãe, a senhora" . "Tô, minha filha. Panhe a vela de São Jorge e bote na minha mão. É verdade. “Edinho tão longe e eu estou morrendo”. Ela morreu 9 horas da noite, de 61 3 de julho. Ele ficou comigo do dia 2 de julho até o dia 9, sem ir embora. Sem eu beber, sem comer, sem acordar, sem nada. Quando eu acordei, foi embora. "Diga a ele que vá". Ai eu vim pra aqui pra Maragojipe. Tomei um impacto, porque eu não sabia de nada. Foi aquele desespero e tal. Ai tomei ódio, não quis mais entrar no candomblé.

P. Onde ela morreu?

R. Aqui em Maragojipe. Ela morava aqui em Maragojipe. Ai eu não queria mais entrar em candomblé. Nisso, houve um temporal muito forte em Salvador e me chamaram. Caiu um paredão na rua do Céu e me chamaram pra tirar aquele cascalho, pra me dar um dinheiro. Eu fui. Peguei o dinheiro que ganhei e fui, comprei uma roupa preta, comprei uma calça, camisa, botei luto e outra pessoa me chamou. Quando me chamou e eu fui, tomei um corte muito grande e tive inicio de tétano e fui esbarrar no Pronto Socorro, que era no Canela. E achei um médico, que na hora de amputar a perna disse: "gente vocês acreditam em espiritismo? Vá numa Casa ai pra ver alguma coisa". E foram numa Casa, me trouxeram uma coisa, passaram em mim, eu comecei a febre ceder e não cortaram a minha perna. Ai mandaram que eu procurasse uma Casa. Ai eu fui na mesma Casa que eu tinha feito o serviço e ai fiz uma obrigação, que eu fiquei 2 anos na Casa dela dando obrigação, como Abiã. Eu tinha 14 anos. Quando depois de 3 anos, ai o Santo queria ser feito mas ela não raspava. Ela fazia obrigação, mas raspar ela não raspava. Foi ai que depois eu vim tendo doença, tendo crise, passando momentos, dormi na rua em Maragojipe por não ter onde dormir, porque minha família não me aceitava, por causa do candomblé. Passava fome. Mas eu na minha. Eu lavava roupa de noite pra vestir de dia. Mas eu permanecia firme, e dizia: “Eu não o meu Santo. Vou passar o que tiver de passar, mas não deixo meu Santo. Mas depois que eu fiz, passei isso tudo, ai Oxóssi foi pra essa Casa, me levou pra essa casa e na casa que eu fiz o santo na casa do seu Lício.No dia que eu sai da casa de Santo, nunca mais passei fome, nunca mais dormi na rua, e nunca mais vim passar desespero na vida. Agora, vim trabalhar. Quando eu saí do Santo, trabalhei aqui numa fábrica de tapete, de seu Hamilton Leite depois vim trabalhar vim trabalhar na padaria que o pai dele (Seu Domingos) tinha padaria e eu fui trabalhar no balcão e nesse balcão eu aprendi fazer bolo, fazer doce e eu fazia muito doce pra vender, muito bombocado, muito doce de banana. Aquelas tachas de cobre eu batia aqueles doces, fazia 2, 3 tachos. Eu ia pra São Francisco criar Iaô, levava as sacas de açúcar, genipapo, e eu fazia os doces pra vender. Dei muito duro, mas ... porque as vezes o povo faz Santo e quer que o Santo dê na mão. Não é isso. Tem que trabalhar pra o Santo ajudar. E eu trabalhei e o Santo me ajudou.

P. Quem ajudou ao senhor?

R. Quando eu sai do Santo, que eu tirei o meu Kelê, eu vim pra Maragojipe sem saber pra onde eu ia. Sabia que eu ia tirar o Kelê e naquele dia 31 de março de 64, da Revolução, os sinos dobrando em Maragojipe, eu sem saber, cheguei aqui em Maragojipe, fiquei numa casinha, e Mingo foi de moto, de motocicleta, me buscar.

Mingo é Domingos, que é meu irmão de criação. Então ai me trouxe, mas o pai não era ligado a candomblé, assim como a família toda que não era ligada, mas respeitava. E nisso eu vim, primeiro fiquei num biombo uns 8 dias escondido do velho. A mãe sabia. Não tinha energia, não tinha nada, fiquei ali praticamente escondido, até passar, o velho tomar conhecimento. Mas a velha sabia. A empregada que ela tinha foi mulher de um Pai de Santo aqui em Maragojipe, Nunga. Ai botou ela pra cozinhar pra mim. Essa velha ficou cozinhando no meu resguardo. Porque eu levei 1 ano de resguardo. Foi o tempo que eu trabalhei no tapete, de Hamilton Leite. Logo depois Nunga morreu, era velhinho, ai dona Mô passou a fazer a minha comida. Ai veio a me ensinar a fazer os doces e tudo foi normalizando. Eu com 7 anos fiz meu cordão de Axé de 1 a 7 anos, lá nesse biombo que eu morava. Ai botei luz, já cimentei, já melhorei as coisas, e ai as coisas foram melhorando pra mim. Eu tinha interesse em trabalhar, minha irmã já veio morar comigo nesse biombo, separou do marido. Terminei de criar os filhos dela. E ela também, até hoje, ainda vive. Porque quando eu fui fazer Santo eu já trabalhava. Abiã mesmo, que já fazia algumas coisas que meu caboclo era que vinha fazer, não era eu. Se tinha uma pessoa no sanatório, na cadeia, morrendo, era ele quem ia e tirava. Eu não fazia. Esse trabalho grande era ele quem fazia. Quem me ajudou muito foi meu caboclo. Tive a proteção de dona Mô, de seu Hermano, dele eu tinha uma casa pra morar, tinha comida, porque apesar de eu trabalhar mas passei ... fazia parte da família. A velha, mãe dele, (Domingos ).dizia: "O que meus filhos tem direito você também tem". E nós viemos tomando conta e honrando meu Santo, meu Orixá, valorizando, e nisso eu fui trabalhando, vim chegando, paguei as minhas obrigações de 7 anos e foi ai que eu vim pra aqui, ainda um chalé, uma casinha humilde. Eu consertei o chalé, reformei e trouxe meu Santo pra aqui. Com 2 anos de Santo aqui, ai eu comprei. Mas o pai dele (Domingos) fez o que pra mim? Passou a escritura em meu nome. Como eu tinha comprado, isso em 73, ai eu comprei e com essa escritura eu fui no banco e tomei um empréstimo. No BANEB, em Salvador. Paguei com 2 anos, 22 mil cruzeiros. No dia 13 de junho. Ai a velha fez uma promessa a Santo Antonio. Se eu conseguisse comprar isso aqui, porque o velho tinha um débito do INAMPS e ele tinha que vender isso aqui pra pagar as dívidas dos empregados. E eu tinha que ter esse dinheiro, porque ... e ele: ''você vai conseguir, você vai conseguir o dinheiro". E a velha disse, se eu conseguisse pagar, ela: ia rezar 13 novenas pra Santo Antonio. Eu cheguei dia 13, Santo Antonio, era encerrando a dela, que ela rezava do dia 1° até o dia 13. No dia 13 eu chegava com 22 mil e entregava. Ai ela continua as 13 novenas e passei a ser dono do Alabaxé , desta Casa. E ai eu fui lutando, construindo, carregando pedra, meu povo todo, muita gente em Maragojipe me ajudou, vinham aqui, a gente fazia aquela feijoada e o povo vinha trabalhar dia de domingo. Comecei primeiro aqui de madeira, casa de barro. E veio, fui fazendo, fui construindo, fui lutando ... eu não tenho casa fora, mas tenho minha casa do meu Santo. Aqui é a minha morada. Eu quis fazer pra meu Orixá. A dele eu me cubro também com a casa que eu fiz pra ele, porque tudo que eu tenho quem me deu foi o Orixá. E ai nós estamos nessa vida. Eu luto e quero que todos façam com o Orixá como eu faço. Dê amor, carinho, respeito a religião. Porque o Orixá quando ele veio não escolheu, nem preto nem branco. O Orixá gostou da pessoa, ele se ... porque nós temos que valorizar nossa origem, nossa terra. Na minha família houve. Meus antepassados, que meu tataravô foi africano, era escravo, trabalhou nesse engenho. Minha tataravó foi índia. Mas meu tataravô era negro. Eu tenho sangue negro nas veias. E o Orixá é tudo na minha vida.

P. Porque o nome Alabaxé?

R. Ilê Alabaxé foi eu, que em jogo que fui procurei ver e saiu. Alabaxé é o Axé. O Alá é aquilo que cobre tudo. E a outra tradução: Ilê Alabaxé é aquilo que põe e dispõe de tudo e eu construi essa Casa.

P. Qual o orixá que rege o Ilê Jitundê?

R. Omolú

P. E qual o que rege esta Casa?

R. Oxóssi

P. Quantos Filhos de Santo tem no Ilê Alabaxé?

R. O llê Alabaxé tem mais de 200 Filhos de Santo. Tem muitos daqui de Maragojipe, Salvador, Sapeaçú, Cruz das Almas, Feira de Santana, Alagoinhas, Candeias, Madre de Deus, Rio de Janeiro, São Paulo, Belém do Pará, Minas, Rio- Grande.do Sul, Estados Unidos ...

P. Quando o senhor se tornou Babalorixá?

R. Em 1971. No dia 2 de fevereiro de 1971 recebi o cargo de Babalorixá, do meu Babalorixá Licio de Souza Moraes.

P. O Ilê Alabaxé tem projetos sociais?

Roberval e Pai Edinho
R. Tem, sim. (Fala Roberval): Nós damos aula de Iorubá, nós damos aulas de cânticos nós damos aulas de atabaque tem um grupo de capoeira que faz treinamento aqui, constituído aqui por nós. Edinho, praticamente uma vez no mês, da comida a essa população mais carente, aonde mais de 100 a 200 pessoas vem aqui buscar comida. Edinho tem projeto de construir uma creche, que começou ali (numa área do terreiro), mas não teve condição de terminar. Edinho tem um projeto de fazer na Casa o Lar dos Velhos, que é uma coisa que Edinho se dedica muito com crianças, com velhos. Então, essa coisa é ampla. A gente tem vontade de realizar algumas coisas, mas os subsídios ... O Ilê Alabaxé é mantido só por uma pessoa, que é o Babalorixá Edinho. Edinho não tem recursos federais, estadual, municipal. Tudo isso é feito por Edinho.

P. O senhor continua mantendo contato com o Terreiro Ilê Jitundê?

R. Continuo. O Ilê Jitundê, depois que meu Babalorixá morreu, eu assumi a posição de Babalorixá dado por ele, antes dele faltar. Ele já deixou isso na Federação e eu assumi o cargo e estou dando continuidade à Roça. Todas as obrigações é passada pela minha mão. Tudo é feito por mim. Não se faz nada na Roça sem a minha presença. De carrego ao axexê, de tudo. Tudo é passado por mim. Agora mesmo, tem uns dois meses, se foi um Ogê da Casa, velho nós fomos fazer o carrego. Tem Ogãs, tem tudo, mas quem vai fazer sou eu.

P. Quantos Filhos de Santo tem o Jitundê?

R. O Jitundê tem poucos filhos porque a maioria, muita gente, já foi embora. Tem uns 30 filhos ainda vivos.

P. Quantos anos tem que ele faleceu?

R. Fazem 19 anos agora em 26 de outubro. P. Qual o ciclo de festas do Jitundê? Continua havendo?

R. 1° do ano é o Olubajê. Todo ano ele fazia, eu dou continuidade. Nos 50 anos de Santo dele eu fiz uma festa muito bonita e veio vários Babalorixás, Ialorixás de vários lugares pra a festa. 1° do ano é Omolú 3 de maio, dia de Santa Cruz, é a festa de Oxóssi e São Pedro é a fogueira de Xangô. Só tem isso.

No dia do Tombamento
P. E o calendário de festas Alabaxé?

R. A primeira festa é em 2 de fevereiro. Uma homenagem que nós fazemos a Oxóssi. Depois vem a festa de Oxóssi, Corpus Christi. Varia entre maio e junho. Depois vem a festa do caboclo, no primeiro sábado de julho. Quando coincide o encerramento de Oxóssi ser no primeiro sábado de julho, conseqüentemente a festa do caboclo fica pro 2° sábado de julho. Depois, no dia 10 de agosto, é obrigação em louvor ao Orixá de minha Mãe, que é Irôko, Tempo. Depois, a festa de Oyá, que é o 1° sábado de dezembro. Ai encerra.

P. Quem freqüenta essas festas?

R. A comunidade e muita gente de fora, muitas pessoas importante. Ajuíza, que era daqui de Maragojipe, ela, o pai, a mãe, todos vinham. O Promotor, que hoje já não existe, Dr. Nélio ... Quem abriu aqui em Maragojipe pra vim um promotor e uma juíza fui eu, porque não iam nos candomblés. Começaram a vir aqui em Casa, ai começaram. Porque o povo tinha aquele receio de ir a candomblé. Mas aqui vem várias pessoas importantes: o Pastor Romário, da Assembléia de Deus, o Padre, muitos professores, muita gente importante, pessoas de outros Estados, de outros países que vem nas festas.

P. E a convivência com a Igreja Universal do Reino de Deus?

R. É uma religião que agride a nossa. A mim, eu nunca ... mas agride a meus irmãos está agredindo a mim também. A Universal é a pior religião que tem, porque o catolicismo ela não respeita. Ela não respeita ninguém. Então, se não respeita o candomblé não respeita a mim, não respeita ninguém. Então eu não gosto.

P. O senhor sabe o número de Terreiros que tem em Maragojipe? Qual o mais antigo?

R. Tem mais de 30, mas registrados tem 14 ou 15. Todos me respeitam, por sinal sou mais velho do que eles e são meus Irmãos de Santo.

R. Do Ketu é o nosso.

P. E no geral?

R. É o Pinho. Casa do Jêje. Rumpa Oaomé é o 1° candomblé de Maragojipe. Foi fundado em 25 de dezembro de 1658.

P. Também tem Terreiro Bantu?

R O Banto que tem aqui só é um. Eu sou o Pai de Santo de Ia. Eu que faço as obrigações da lalorixá. A obrigação dela de 14 anos quem fez foi eu, a de 21 anos quem fez foi eu, os netos quem confirmou foi eu, a neta, que é feita de Angorô, quem raspou foi eu. Na Casa dela só eu faço as obrigações. Tem outros terreiros aqui que eu vou fazer as obrigações, porque depois que meu pai de santo cufô (morreu), a maioria dos Filhos de Santo ficaram eu dando as obrigações.

R. Fevereiro de 1921.

P. O senhor sabe a data de fundação do Terreiro Jitundê?

P. O senhor tem apoio de algum órgão oficial?

R. Não, nunca tive. Eu comecei fazendo a base da creche. Tem alvenaria, tem tudo, mas não deu pra eu continuar. Aqui eu fazia funeral pra muita gente, fim de ano e inicio de ano: colégio, livros, vem às matrículas, vem a nota de livros, eu vou eu compro. Dia das Crianças eu faço presente, faço também carurú, já fiz caruru aqui no Dia das Crianças de 10.000 quiabos, pra atender as crianças, vem todas as crianças de Maragojipe.

P. Como é a relação do senhor com a Prefeitura de Maragojipe?

R. Boa. Muito boa. Também nunca fui procurar ele, nem também eles nunca me trouxeram nada. São meus amigos.

P. Quantos Filhos de Santo o senhor tem?

R. Eu tenho mais de 200. Entre Abiã e tudo vai a 300 filhos. Mas feitos, eu tenho mais de 200.

P. O que significa ser Pai de Santo na terra em que o Senhor nasceu?

R. Pra mim, eu acho assim: Eu sou respeitado na minha religião, de velho a criança me tomam a bênção onde eu passo. E eu acho muito importante, porque tenho sido muito bem visto como Babalorixá. Fui paranifo 5 vezes de colégio aqui. De formatura de magistério, de administração. Fui do Simões Filhos, 2 vezes fui do Polivalente 2 vezes e fui do Estadual umas 5 vezes. Afilhado de batismo eu tenho mais de 300 afilhados. Padrinho de casamento, mais de 50 vezes já fui. Eu tenho diploma de Irmão de São Bartolomeu. Aqui em Maragojipe eu nunca fui criticado. Todos me abraçam, todos confiam em mim.

P. Fale sobre as dificuldades que o senhor teve no começo do Terreiro aqui.

R. Quando eu vim pra cá eu arranjei fio de telefone, emendei pra colocar luz aqui. Fio de telefone da rua pra aqui, porque era muito caro. Pra ter aquela luz pro 1° candomblé que eu toquei aqui, que foi no mês de abril. No Barracão a gente comia, botava a esteira no chão, mas sempre tinha uma mesa pra as pessoas que vinha, mas eu com todos meus Filhos de Santo eu comia junto com eles. Eu ia pro Barracão, me sentava, botava comida deles na esteira, ficava ali sentado no banco comendo com eles. A cozinha era coberta de lona. O banheiro, a porta era de lona. Pra ir pra à parte aonde a gente dormia, a parte era de lona também. Todo mundo aqui bonitinho, tinha comida certinha, eu ia pra cozinha fazer comida, eu ajudava também o povo, todo mundo se dava bem, todo mundo achava bonito aquilo, todo mundo irmão. Quando chegava pessoas estranhas eu ia na casa de Domingos ver os talheres e voltava para fazer a mesa bonita pra servir o povo.

Ai a velha mandava os pratos dela, as coisas boas e eu servia aquele povo todo. Eu tenho cliente de 40 anos que ainda me acompanha. Muita gente que iniciou comigo continua comigo. Minhas 3 primeiras Filhas continuam comigo. Vão fazer agora, dia 6 de agosto, 33 anos de Santo, contínua comigo. O Santo aqui na Roça. São minhas amigas. Uma vai fazer agora 80 anos, em fevereiro. Já ta se arrumando pra fazer a festa. Não pode perder a minha presença, porque é loucura. E, realmente, as comidas daqui, temos as pessoas que cozinham bem aqui. Nos tínhamos uma Ekédi da Casa, que eu deixava na mão dela. Ela vendia fato. Foi uma das fundadoras comigo lqui. Cal'l'~a,va telha e tijolo pra a gente construir aqui. Gertrudes. Ela vendia fato. E ela vinha sábado, quando ele saia do fato ela vinha pra aqui pra botar a feijoada pra domingo, que tinha um adjuntório pra o povo vim me ajudar fazer as coisas. Passava o dia aqui e todo mundo comia. O mundo igual. Era fogo de lenha ai no quintal. Fazia aquelas melhores comidas. O povo diz por onde eu ando o quiabo me acompanha. Que aonde eu vou tem que ter quiabo. Porque ipre eu gostava de fazer um carurú. O povo já sabia que meu prato era carurú.

P. Quem lhe ajuda aqui no Terreiro?

R. Existe aqui esse, que é meu irmão, Domingos de MeIo Albuquerque, que é uma pessoa que me acompanha desde a hora que eu nascí no Santo. Ele é o Axogum da Roça. Ele que corta pra o meu Orixá. Desde que eu trouxe o meu Orixá pra ca ele é que corta o meu Orixá. E esse daqui, e é o meu Filho, Antonio Roberval França da Mata. É Babalossam da Roça. Eu viajo, ele toma conta da Casa. A mãe dele é feita também aqui: Diná. Já tem obrigações pagas. Ele veio, daqui ele se formou, daqui ele casou, já tem filhos, tudo aqui. Vereador pelo 3° mandato aqui e é uma pessoa, dentro do candomblé, que eu entrego tudo a ele. Se eu viajo, ou se eu não posso viajar, só ele sabe comprar o que eu quero, porque outra pessoa não compra como eu quero. E ele é uma pessoa que toma conta de tudo. Ele arruma ,o Barracão, ele que arruma quarto de Santo, ele que arruma as obrigações todas. Quando eu chego, eu desço, já é pra cortar pra o Santo, porque meus Filhos, todos, quem corta sou eu. Apesar de ter o Axogum da Roça, ele só corta pra o meu Santo. Ou então ele corta pra pessoas que eu não posso cortar, como no caso de marido de uma Filha de Santo minha ou uma pessoa assim, os 2 da mesma casa, então ele corta. Mas livrando disso, todos os meus Filhos de Santo quem corta sou eu. Barco de 12, Barco de 10, eu corto. O Obé (faca) vem pra minha mão, eu só entrego depois que eu termino de cortar. Terminei ali, depois que eu faço a entrega do Orixá e tal, tal e tal. Ai eu passo pra os outros Ogãs vim arrumar. Mas quem corta sou eu.

P. Maria Gertrudes da Conceição era Ekédi?

R. Ekédi.

P. Era do Orixá do Senhor?

R. Do meu Orixá, Oxóssi. Ekédi de Oxóssi.

P. Fale sobre os cargos daqui do Terreiro.

R. Domingos é o Axogum Roberval é o Babalossam Rosa é lalaxé da Roça Mãe Gertrudes era Iabassé da Roça. Nena é a Ekédi. Ta viva ainda. Já não anda, mas é a mulher da maior responsabilidade desta Casa. Ela arrumava tudo pra mim e me entregava em minhas mãos. Iniciou comigo hoje ela mora aqui ainda, em Maragojipe. Doutor Marcos, Ojuôbá Renato, que é Ojuôbá também. E tem Osvaldinho, é do Axogum esse mora no Rio Grande do Norte. Renato é Aboatum de Xangô e doutor Marcos é Abolossí, ou seja, o braço direito e o braço esquerdo de Xangô.

P. Quantas pessoas moram aqui no Terreiro?

R. 18 pessoas, fixas, residem aqui.

P. O senhor que mantém essas pessoas?

R. Sim

P. Qual a importância do tombamento do Terreiro Ilê Alabaxé?

R. O tombamento do Terreiro vai ser uma coisa muito importante na minha vida. Porque toda a minha vida foi dedicada a esse candomblé. Eu envelheci construindo esta Casa. E eu vou ter a maior felicidade, vivo ainda, vendo a minha Casa tombada. E sei que Oxóssi não vai ser jogado fora. Oxóssi vai ser eterno ai, tomando conta da Casa dele que eu construí. Que ele me deu direito. É a maior riqueza pra mim, vai ser a maior felicidade. Nunca vou esquecer vocês, nunca vou esquecer doutor Júlio Braga e as pessoas que estão olhando pra isso e me dando o direito de amanhã eu gritar e dizer: Oxossi é eterno, ele vai ficar e ninguém vai despachar ele, porque não vai ter briga, o que eu tinha que dar ao meu povo já dei. Dei casa a um, dei casa a outro, minhas irmãs eu ajudei. Meus netos, minhas sobrinhas, todas tem casa, tem tudo. Casa em Salvador. O que eu pude ajudar minha família eu ajudei. Ali embaixo eu tirei uma faixa, (de terra) vários lotes já dei, porque vou deixar a Roça dos Orixás. Isso aqui vai ser o Mundo dos Orixás. E vai ser eterno, se eu tiver esse direito. Eu vou agradecer muito, vocês nunca vão sair da minha memória.

P. O que significa a natureza para o senhor?

R. Tudo, porque Orixá é a natureza. Orixá é a vida e os matos, as folhas, é o que nos da vida, força e muito Axé, porque sem a folha nós não temos Axé. É a folha quem nos levanta e nos sustenta a nossa cumeeira. Sem as folhas nós não somos nada. Tratamos essas folhas com carinho e amor. Sem as folhas não existe nada, porque terra é mato, é quem sustenta os Orixás. Os Orixás são cobertos pelas folhas, porque das folhas vêm o domínio do Axé, da bondade. As folhas servem pra tudo dentro do candomblé. Tanto pra vida como pra morte.

P. E a água?

R. A água é tudo na vida, também. Porque sem a água nós não podemos purificar os Orixás. A água purifica e lava todas as maldades, tira todos os negativos de cima de todos nós. A água purifica. É muito importante a água. Sem a água a gente não vive.

P. E os animais?

R. Os animais, no caso as criações - bodes, essas coisas - nós usamos bode, cabra, essas coisas, porque hoje estão condenando se usar sangue, Ejé, em cima do ibá (assentamento), mas eu encontrei isso dos meus antepassados e eu não posso mudar a minha origem que eu aprendi, que eu encontrei. Então, se o bode é pra o Orixá, é o bode, é os galos, pato, conquém, pombo, isso tudo entra pra a obrigação, porque o que acontece: todas as minhas obrigações que eu participei e tudo isso que eu recebi foi levado pelo meu Orixá. O Orixá recebeu. Então hoje eu não posso mudar pros meus filhos, tirar tudo que recebi. Eu sei que eu consegui muito Axé com as coisas que meu Pai fez pra mim. Porque eu vou tirar dos meus Filhos? Eu' quero que eles também cresçam como eu cresci. Então os animais pra mim, no candomblé, são sagrados. Existe. A obrigação existe, sim. Não pode acontecer é que muitas Casas, muito tem sido feito com os animais, porque tem animais que não entra em uma obrigação. Um bode môcho, vai ver qual o Orixá que pega aquele bode môcho. Nem todo Orixá aceita aquele bode.

P. E a respeito do carneiro?

R. É porque na nossa Casa, Iansã, o poder é de Iansã, é o meu Ajuntó, é o segundo Orixá nessa Casa. Iansã comanda essa Casa. Ela é a Mãe da Casa, ela é quem segura e é a maior Kizila, é o maior Ó, numa Casa de Iansã, é um carneiro, é um agutã (carneiro) cortar. E nós não cortamos. Nem um tapete com couro de agutã na minha Casa não entra. Porque é um Orixá que nós respeitamos, é um Orixá que faz parte da minha vida. Mas, a parte certa tem que ser se obrigação é bode, se é cabra, eu não deixo de fazer as obrigações. Agora, tem parte de Orixá, como Obaluaê, tem Obaluaê que come porco. Pra a gente fazer uma obrigação dessa tem que ter muito cuidado. São animais que precisa muito carinho, muito respeito, pra ir numa obrigação dessa. Porque tem pessoas que vem de uma obrigação e não quer manter aquele resguardo. Então, é preferível não cortar esse animal para o seu Santo. Pra você fazer e não cumprir seu resguardo, então não corte um Eledé pra botar... do seu Santo. É um animal que precisa muito respeito pra não ter uma decepção grande e não dar errado a vida. A gente quer fazer a obrigação de um Filho e quer ver ele prosperar e não se arriar.

P. Qual a clientela do curso de Yorubá?

R. Nós atendemos não só as pessoas daqui do Ilê Alabaxé como também de outros Terreiros. Da mais ou menos 70 pessoas, grande parte de pessoas idosas. 80% é de jovens, Ogãs e Ekédis, que estão iniciando agora, começando agora aqui na Casa, na Casa de Rosete, na Casa de Jaci, na própria Casa de Kissassi, que é Terreiro de Angola, mas está presente. A Filha Chica. Então é em torno de 70 a 80 pessoas.

P. Quais são os dias desse curso?

R. Nós começamos, geralmente, no período de festas do Babalorixá. Nós damos assim uma vez no mês. O mês de maio e junho a gente da intensivo, o curso não pára. Agosto a gente não da, porque é período de festas em Maragojipe. A partir de novembro a gente começa até dezembro. São períodos. Capoeira, são duas a 3 vezes no mês. Tudo é feito no Barracão. Agora, tem um detalhe: a gente só ensaia com pessoas do Axé. Todo, curso de Iorubá, todo curso de cântico, todo curso de atabaque, é pra pessoas do Axé, iniciantes. E só pra a comunidade do candomblé.

P. Como se dá à convivência dos jovens com os mais velhos aqui?

R. Há um respeito muito grande. Até porque a gente envolve os jovens no trabalho social. A gente envolve os jovens pra dar comida à comunidade, pra estar atendendo, pra estar despachando. No cântico, a gente envolve as pessoas pra ter mais vontade de cantar, tem mais desenvoltura. Hoje os jovens respeitam muito mais.

P. O senhor atende muitas pessoas aqui em Maragojipe?

R. Atendo. Muita gente, porque esse povo precisa e chega dia de quinta-feira, ai vem um e pergunta: qual é o dia que o senhor fez caridade? Eu digo: meu filho, eu faço todos os dias. No que precisar, pode vim que eu atendo. Eu atendo muita gente.

P. Os Alabês são mais jovens ou mais idosos?

R. Mais idosos.

P.Tem jovens se interessando em ser Alabê?

R. Tem, também. Aqui tem muitos se interessando pra aprender. Por sinal, nós temos aqui meninos que tocam muito bem. Meu neto mesmo, tem 20 anos, toca muito bem. Tem outros jovens que toca muito bem. Agora, pra arrumar o cargo de Alabê tem que ser uma pessoa com mais idade, porque impõe mais respeito.

Agradecimentos do Pai Edinho
P. O senhor joga búzios?

R. Jogo, sim.

P. É verdade que somente quem é Babalaô pode jogar?

R. Búzio não é uma advinhação. Nós nascemos com dom de ser Oluô, o Babalorixá, porque nem todos tiveram a felicidade de ter esse dom de búzios. Porque o búzio é um dom e quando a pessoa traz o dom não precisa ser Babalaô Oluô. O Babalorixá, ele sente, ele vai pra o jogo, ele vai saber o que vem. Porque não é jogar búzio, contar búzio e advinhar. Não existe advinhação. Existe, sim, dom. Porque nós temos juramento. Nem caluniar e nem mentir. Tem que sair e ver aquilo que vem. Porque pra você ser um bom Oluô, você tem que corresponder aquilo que o Orixá lhe dá. Nós recebemos algo superior que a gente não sabe de onde vem. Então, é uma mensagem que você recebe. Isso é muito importante. Antes, realmente, era escolhido um Oluô. Preparava para jogar. Existia, você recolhia um Iaô, você tinha que ir pra outra Casa jogar pra fazer. É como o Axêxê: você que faz o Orixá, você tem que ta preparado pra vida e pra morte. Porque não é possível que eu faça o Orixá e vem ou faz uma Filha de Santo pra procurar uma outra pra vir botar o Axêxê. Se eu fiz aquele, se a gente tem um filho, a gente tem que ta preparado para a alegria e pra a tristeza. Graças a Deus, aqui na nossa Casa, eu nunca precisei de trazer ninguém de fora. Se for pessoas que eu possa arriar a cuia, eu arreio a cuia e eles executam o Azerim. Eles cantam, eles fazem. Eu faço tudo. Se for uma pessoa que eu não posso arriar a cuia, eu pego um Ogã da Casa e mando arriar a cuia. Um superior a mim. O meu Pai de Santo mesmo, tem os Ogãs dele e a primeira irmã dele, que era Kauíze, que morou comigo, arriar a cuia, porque eu não podia pegar, era meu Pai eu não podia pegar em nada. Mas eu participei até a hora do Obí. Ele tinha que ta na frente pra ver se tava jogando certo. E acompanhei, estou aqui até hoje. E o jogo é a coisa mais importante dentro do candomblé. O Babalorixá tem que ter a sua mão de jogo. Tem que saber contar o jogo.

P. E Pai Lício? Qual era a formação dele?

R. Ele era pedreiro. Um bom pedreiro. Por sinal, aquela igreja de São Francisco, muitos trabalhos ele faz ali. Além de ser um bom pedreiro, ele era mestre de acabamento. Ele também costurava muito. Ele fazia casa de abelha, tudo isso ele fazia. Quando eu fiz 25 anos de Santo ele me deu uma camisa toda aberta em beju. Costurava muito. Fazia muito licor pra vender. Fazia aquele mundo de licor de maracujá pra vender aqui em Maragojipe. Ele era de Maragojipe, mas já morava há mais de 60 anos lá em São Francisco do Paraguaçu. Quando ele adoeceu ele veio embora, morreu aqui em casa. Quando meu Pai de Santo morreu eu já tinha feito a obrigação de 21 anos. Já estava com 25 anos de Santo. A minha obrigação de 21 anos foi engraçada: veio muita gente de fora. Muita Ialorixá, do Rio de Janeiro, muita gente da Casa de seu Zezinho do Portão, gente do Gantois, gente do Alaketo, muita gente de fora. lalorixá, Babalorixá. E quem veio cantar foi o Alabê da Casa de seu Manoel Rufino. E meu Pai de Santo já estava muito doente. E ele me pediu, me chamou e disse: "meu filho, eu sei o que você ta gastando, pelo amor de Deus! Eu não vou pegar na sua obrigação". Eu disse: O que meu Pai? O senhor não vai pegar? Ele disse: "não, eu não vou pegar. Você me garante?" eu disse: garantir o que? "Se você não aceitar eu vou embora não fico com a sua obrigação. Meu filho, que adianta eu fazer a sua obrigação hoje e amanhã eu morrer?" eu disse: meu Pai, se você fizer a minha obrigação hoje e morrer amanhã, eu vou gritar, vou chorar, mas estou satisfeito porque outra mão não botou na minha cabeça. No dia da festa, um mundo de gente nesta casa, que era menor, um corredor comprido, até lá embaixo, dos mais velhos aos mais novos sentados. Meus Filhos de Santo, minhas Irmãs de Santo, a Família do Santo toda aqui completa. Na hora, no quarto do Santo, eu disse: não quero ninguém no quarto de Oxalá, na hora do meu Borí. Só vai ficar a Mãe Criadeira , que me criou quando eu fiz Santo - Mãe Luz - ele, Mingo, e Nena, assistindo. Eu disse: meu Pai, o senhor começou termine. Não foi o senhor que começou? Termine. Entreguei minha cabeça e falei: se o senhor for embora amanhã eu estou satisfeito,foi o senhor que concluiu a obrigação. Eu fui pra a sua Casa com uma sandália havaiana, amarrada de arame, fazer o Santo. Hoje eu tenho pra dar. Ai ele me olhou, chorando. Eu disse: Faça a minha obrigação. Ele fez a minha obrigação. Uma obrigação muito bonita. Quando saiu da obrigação, eu disse: olhe o senhor não esqueça que quando eu entrei na sua casa eu levei 2 calças e uma camisa, enrolada com papel e uma sandália calçado. Eu vim de roupa, foi o senhor que me deu. Eu não gastei 1 centavo com meu Pai de Santo. Ele me deu tudo. Agora, minha despesa ia da casa da mãe de Mingo ia aos balaios. Mas tudo do Axé foi meu Pai de Santo que me deu. Tudo quem me deu foi ele. Eu fui muito feliz com o Pai de Santo que tive. Saiu da minha casa. Ele tem terreno comprado pra ninguém arrancar ele. Comprei o chão, foi enterrado aqui em Maragojipe. Ta lá, no cantinho dele. Ninguém tira. É perpétua, a sepultura dele. Saiu daqui cantando. da minha Casa até o cemitério, acompanhado por todos os meus Filhos, que vieram todos. Todos vieram, participaram, me deram aquele amor, aquele calor. Ele era muito bom pra os meus Filhos de Santo e meus Filhos também pra ele. Quando ele fez 25 anos de Santo eu reuni todos seus Filhos de Santo pra arrumar a Casa dele, que lá não tinha energia. No dia que ele botou luz eu levei uma geladeira, encaixotada. Levamos mobília de quarto, cadeira-do-papai, uma máquina de costura. Fiz aquela festa, aquelas lembranças todas. Foi uma festa bonita. Ele chorou, ele me abraçou. Agora, ele falava porque eu tirei um bendito colchão de capim que ele dormia. Me xingou todo porque eu tirei o colchão de capim. Joguei o colchão fora, toquei logo fogo. Quando ele voltou, tava o colchão de mola. Ele saiu procurando onde eu tinha escondido. Mãe Bárbara disse: "Você ta chorando de barriga cheia! Ele já queimou. Você é feliz com o filho que você tem, Lício". Mas era assim a gente terminava em graça, mas eu cumpria as minhas obrigações e nunca deixei meu Pai de Santo faltar nada. Qualquer coisa que tinha, eu pegava uma canoa e ia ver ele. Consegui aposentar ele nos reunimos e aposentamos ele. Quando foi embora já estava aposentado. Foi um amigo, irmão, pai.

P. Fale sobre Pai Rufino.

R. Ele falava que aos 13 anos ele vendia fato, botava gamela na cabeça e ia vender fato. Espichava o cabelo, porque o cabelo era muito duro, e ele passava um negócio pra o cabelo ficar liso. Foi quando ele veio fazer o Santo, e fez o Santo, e que ai todo mundo tinha um diploma disso e daquilo e ele não tinha. Ai ele foi, pagou a uma pessoa pra tirar um diploma dele de datilografia, que ele nunca foi, mas ele pagou porque queria um diploma na parede, porque todo mundo tinha e ele não tinha. Ele batalhou muito, ele foi preso ... ele recolheu um Barco. Morava na Quitanda do Capim. O Barco dele acho que foi de 7 yaô. E foram presos, quebraram tudo. Quebraram a Bacia de Oxum, que era de Macau. Me lembro que ele me contava e chorava. Quebraram a Bacia de Oxum e foi todo mundo preso. Na hora quando a carrocinha - que chamavam - que foram presos, Oxalá pegou uma das yaôs, dentro da cadeia. Ai o investigador deu ordem de que não era pra ter prendido o candomblé de seu Manoel Rufino. Mas ele bateu em Rufino, eles quebraram os Ibás de Santo. Esta pessoa se acabou na Ladeira do Canto da Cruz. A gente descia de bonde, da Liberdade, e passava ali. Ele descia comigo pra fazer compras. Ele de chapéu, de óculos. Ai tinha aquele homem sentado, num calhamaço, com uma cuia. Ele ai tirava uma moeda, batia assim e dizia: " Olhe sou eu, Rufino, aquele que você quebrou a Bacia de Oxum, tem aqui uma moeda para você”. Ele dizia que era pra ele lembrar que estava dando à ele. "Ele hoje esta precisando de meu dinheiro pra comprar um pão". Se acabou na Ladeira. E outras coisas. Ele (Rufino) sempre foi dono de si. Tinha uma natureza forte, mas ele tinha um coração bom, se você chegasse e dissesse:Eu vim ver Oxum, eu vim bater a cabeça para Oxum pronto, ele já se derretia, porque foi ver a Mãe dele. Ele podia esta brigando com quem fosse, a pessoa batia a cabeça e chamava por Oxum, acabava a briga. Mas ele foi muito perseguido pela policia, na Liberdade. Depois ele foi pro Beiru e ai conseguiu a Roça, que era uma das maiores Roças na Bahia. Depois acabou, foi uma tristeza pra gente. Nós pegamos o Axexê, porque todo ano eu ajudo, mando alguma coisa pra a obrigação de Oxum. No dia 13 de dezembro tem a obrigação de Oxum, lá. E aqui também eu dou comida a Oxum dele. Todo 13 de dezembro eu arreio uma oferenda pra o Oxum dele aqui em Casa e eu sou correspondido, eu sei que eu sou correspondido. Teve um ano, que eu vi alguém dizer assim. "Tantos anos de Pai Rufino de morto e Edinho faz essa obrigação pra Oxum". Eu disse: Oh, minha Mãe! Prove que você esta aqui comigo. O cordão da bandeira caiu no Barracão, assim, nos meus pés. Bati a cabeça no chão, pedi a bênção à ela pois sabia que ela estava presente, me ouvindo. Rufino foi uma pessoa que respeitou muito o candomblé, mas ele não era muito ligado às outras Casas não. Ele ia ajudar e tudo, mas ele sempre foi reservado. Só dona Menininha era que tinha um laço muito grande com ele. Tanto assim, que as 3 filhas dele ele deu pra ela fazer o Santo.

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…