Pular para o conteúdo principal

Um pouco da História da Filarmônica "Dois de Julho"


Por Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa
Professor de História - Formado pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Data de Publicação: 07 de setembro de 2010

Uma das principais filarmônicas da cidade, a “Filarmônica Dois de Julho” é fruto do desejo de músicos instrumentistas das antigas filarmônicas e recreativas que existiam nesta cidade, antes da sua fundação em 7 de setembro de 1886.

A “Mnemósine” foi a primeira filarmônica existente no município, mas não durou muito, extinguindo-se em menos de uma década. Desta surgiram três instituições: Como os seus músicos eram dignos de assim serem chamados, fundaram a “Filarmônica Terpsícore Popular”, a “Sociedade Musical Euterpe” e em 1886, a “Recreativa 2 de Julho”, esta última somente com o propósito de ensinar danças à juventude.

Todavia, os associados da “Sociedade Musical Euterpe” entraram em divergências por motivos não encontrados nos documentos, dissolvendo-se, muito mais rápido do que a sua entidade materna, a “Mnemósine”. Um novo processo de união foi pensado, refletido e posto em prática. Músicos da já extinta “Sociedade Musical Euterpe” unem-se à “Recreativa 2 de Julho, fundando a então conhecida por todos como “Filarmônica 2 de Julho” elegendo presidente Absalão Gonçalves dos Santos. Hoje a instituição musical está em processo de transição para começar a ser chamada de “Sociedade Filantrópica e Recreativa Filarmônica e Sinfônica 02 de Julho”.

Segundo Osvaldo Sá, a instituição do pavilhão verde e amarelo, passou a funcionar em um prédio alugado na “rua de Santana, com ângulo para a rua do Fogo e fachada para o nascente.”, esta rua depois seria chamada de Barão de Rio Branco e atualmente é conhecida como D. Macedo Costa. O prédio pertencia a Absalão Gonçalves dos Santos e foi adquirido pela Suerdieck S/A e demolido. Só para se ter uma idéia, ela ficava ao lado do atual prédio de grades de ferro que funciona atualmente a Secretaria de Finanças de Maragogipe. O atual prédio foi adquirido em 1897, já sob presidência de Bento José Malaquias. Contudo, as reformas desejadas e às características projetadas por Salomão da Silveira, só vieram a acontecer muito depois e em 27 de maio de 1951 foi inaugurado, com muita festa, o “Palacete 2 de Julho”.

A escolha do nome “2 de Julho” e das cores “verde e amarelo”, segundo Ronaldo Souza, são marcas necessárias da luta ainda viva do povo baiano para eliminação das reminiscências portuguesas. O fato de ter sido fundada em 7 de setembro de 1886, é motivo para que nós, baianos, lembremos sempre que a data correta da nossa independência é o “2 de Julho”, por isto, esta instituição não nos lega somente um aparato de notas musicais, mas também um sentimento verdadeiro tipicamente baiano de luta e preservação da nossa história.

Como todo maragogipano que se preze, no autêntico sentido da democracia, o partidarismo e as rivalidades se sobressai até nas notas musicais, mas afinal quem dá as melhores notas? Uns, maragogipanos, principalmente àqueles que moravam na Enseada, no início do século XIX e em meados do mesmo século, no bairro do Cajá, adoravam a notas da “Filarmônica 2 de Julho” e quando esta passava pela avenida, era uma festa só. Outros, com especial apreço dos habitantes do Porto Grande, já preferiam às notas da “Terpsícore Popular”. Posso garantir, que as melhores notas são dadas pelos maragogipanos que nestas duas instituições se deliciam com apreço à arte musical, e com toda certeza, quem ganha é a nossa Maragogipe.

Na história da “Filarmônica 2 de Julho”, não pode ser separada da “Terpsícore Popular” devidos aos múltiplos encontros e desencontros. Nos dois casos, logo no início do século XIX, quando às filarmônicas saiam pelas noites, apresentando-se de porta-em-porta, seja com as pessoas nas em pé na porta de suas casas ou de bruços nas janelas, traziam consigo momentos de alegria e entretenimento, pois naqueles dias, não se tinha outro tipo de diversão, nem muito menos televisão, apenas conversas paralelas à velocidade da luz dos candeeiros em punho, marcando com isso, um dos “F”s da nossa sociedade. Ao fim das apresentações, palmas e gritos de vivas eram a mais singela e humilde forma de agradecimento que a pessoas poderiam dar, visto que detinham pouquíssimas formas de agradecer devido seu baixo poder aquisitivo. Aliás, as apresentações tinham um sentido inverso. Os músicos queriam, na verdade, agradecer à população, aos seus pais e amigos pelo incentivo que esses davam durante o dia a dia, retribuindo todo o esforço em forma de alegria e música. Ronaldo Souza assim descrevia “Há um bairro tradicionalmente querido pela Filarmônica e vice-versa: é o bairro do Cajá, talvez devido ao grande número de famílias que ali se instalavam: a Malaquias, a Souza, a Carvalho, dentre outras. Todas Dois de Julho!”. Perceba que esse “Todas” da última frase, nos traz o sentido da amizade e da participação efetiva.

Em toda sua vida, a “Filarmônica 2 de Julho” ganhou inúmeros títulos e troféus, sendo, portanto, orgulho em Maragogipe. Dos diversos músicos notáveis que por ela passaram, alguns são a inspiração para os mais novos componentes, falam-se muito nos irmãos Alfredo Rocha, Firmino Rocha e Antônio Rocha; em Anísio Bahia e nos irmãos André e Andrelino; outros também são citados e são de igual peso e importância.

Quando a instituição esteve sob a administração de Silvio José Santana Santos, o prédio foi reformado e ampliado, hoje já sob a responsabilidade de Djalma Reis Caldas, há no prédio, além da instituição, o InfoCentro Professora Valquíria Armede Ribeiro, inaugurado em 23 de junho de 2007; recentemente recebeu um auxílio financeiro do Governo do Estado para a aquisição de novos instrumentos e outros serviços de manutenção e a administração está pensando no futuro, refletindo sob seu passado glorioso, quando a “Recreativa 2 de Julho” ensinava aulas de dança.

É, a responsabilidade social sempre foi sua marca!!

Um VIVA à Dois de Julho!!!

Comentários

  1. Muito bem Zé Valdo fico feliz por participar desta família chamada 2 de julho , que merece respeito por hoje camonhar sozinha com seu maestro e seu corpo musical parabéns ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…