Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2017

Documento: Visita da Família Real ao município de Maragogipe

Este é um fragmento do Jornal Cachoeira exposto no livro de Fernando Sá descrevendo a solene recepção que os maragogipanos fizeram ao Imperador Dom Pedro II, em 09 de novembro de 1859, depois que os mesmos chegaram no vapor Pirajá.
Vale ressaltar que, no livro de Fernando Sá, ele troca o nome Maragogipe, com o grafema "G", para Maragojpe com o grafema "J" e essa troca é um erro. Em minhas pesquisas, descobri que parte desse texto está no livro "Diário da Viagem ao Norte do Brasil" escrito pelo próprio D. Pedro II. 

Outros detalhes vou preferi que o leitor descubra por si, pois vale a análise do documento. Por fim, será interessante ler alguns comentários sobre o mesmo.


"Diário da Viagem ao Norte do Brasil"
Dom Pedro II

Eram três horas mais ou menos, quando avistou-se o vapor que conduzia os augustos visitantes; indo ao seu encontro, em uma canoa ricamente preparada, o juiz municipal, para receber as determinações imperiais; voltou pouco depois que a…

Blog do Zevaldo Sousa: Um novo projeto em um novo endereço

Mudamos de casa. 😃😃

Compartilhamos ao grande público a nossa felicidade. Este é um novo momento, um novo projeto em um novo endereço. 
Certamente, iniciaremos um novo processo de reconstrução de identidade, mas seguiremos com um conteúdo novo, muito mais independente e sobretudo, original. Este será o objetivo deste novo e velho Blog do Zevaldo Sousa. 
Postaremos neste site, única e exclusivamente, conteúdos originais. Com objetivo de ganhar e dar ainda mais visibilidade ao nosso município. Escrever com qualidade. Este será nosso objetivo. Não deixando de lado a nossa opinião acerca dos acontecimentos recentes de Maragogipe, da Bahia, do Brasil e do Mundo.
Neste blog, existe a união de dois portais que foram descontinuados: O Blog do Zevaldo Sousa (www.zevaldoemaragogipe.com) e o Ecos da História (historia.zevaldoemaragogipe.com).

Neste novo projeto também haverá a criação de mais dois portais. Um para notícias do Brasil e do Mundo e outro voltado especialmente para a educação que em bre…

Download: Livros que contam um pouco da História do Carnaval de Maragogipe

Por Zevaldo Sousa

Conhecer a História do nosso município é de extrema importância fundamental para a memória, a cultura e a difusão de ideias, neste sentido, consideramos de extrema importância a disponibilização deste dois livros para download, um pelo IPAC, e o outro pelo Professor Alex Souza através da Secretaria de Cultura e Turismo de Maragogipe
No livro do "Carnaval de Maragogipe - Cadernos do IPAC 3", em PDF para você fazer o download e conhecer um pouco da História do Carnaval Imaterial da Bahia.

No Blog do Carnaval de Maragogipe (carnavaldemaragogipe.blogspot.com.br), você encontra muito mais informações sobre esta maravilhosa festa.
Vale lembrar que o livro é uma das cinco publicações do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC) sobre patrimônios intangíveis da Bahia estão disponíveis para download gratuito nos sites da autarquia estadual, www.ipac.ba.gov.br, e da Secretaria de Cultura (SecultBA), www.cultura.ba.gov.br. Ao acessar o site do IPAC, os inte…

Frases Históricas: Tiradentes "Dez vidas eu daria se as tivesse, para salvar as deles"

Neste dia 21 de abril, estamos iniciando a Sessão Frases Históricas do Laboratório de História e Memória. 


Hoje, dia 21 de abril, é feriado nacional em homenagem a Joaquim José da Silva Xavier, de alcunha conhecida por todos, como simplesmente, Tiradentes.
Ao falar em Tiradentes, a grande maioria das pessoas imaginam um homem com cabelos grandes e barba, muito assemelhado com a imagem de Jesus. Essa imagem foi construída, propositalmente, com o intuito de legitimar seu heroísmo. Construção essa que colocou o alferes nos livros de história. O debate é grande e muitos historiadores que se debruçaram sobre a história deste homem que hoje é considerado Herói Nacional. 

Histórico Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, nasceu em Minas Gerais, no dia 12 de novembro de 1746. Era alferes [hoje ele seria Segundo Tenente] no Regimento da Cavalaria Regular. Entusiasta, entrou para a Conjuração Mineira, e em viagem para o Rio de Janeiro foi preso em virtude da denúncia de Joaquim Silvério do…

A história da Suerdieck, Epopéia do Gigante, por Ubaldo Marques Porto Filho

Discurso de Ubaldo Marques Porto Filho na Câmara - Maragogipe e a Suerdieck

A Suerdieck não parou mais de crescer. Foi então idealizado um novo prédio, edificado em 1920, pelo engenheiro Emílio Odebrecht, pioneiro das construções de cimento armado na Bahia. A interligação da fábrica nova com a antiga, separadas pela Rua das Flores, fez-se através de uma passarela de concreto, uma novidade em Maragogipe.
Mas essa novidade custou muito caro ao prefeito Elpídio da Paz Guerreiro, que sofreu uma campanha popular muito forte, por ter permitido a construção da “ponte da Suerdieck”, como o povo passou a chamar a passarela. É que o povo da zona rural acreditava numa crendice popular que assegurava dar azar a quem passasse por baixo de pontes. E durante muitos anos, os produtores que traziam produtos de suas roças, para vender na feira livre semanal, fizeram um longo rodeamento para evitar a “ponte da Suerdieck”.

Em 1928, a Vieira de Mello & Companhia, primeira fabricante de charutos em Ma…

Livro "Suerdieck, Epopeia do Gigante" reconstituiu a história de um império charuteiro

No livro ‘Suerdieck, Epopeia do Gigante’, Ubaldo Marques Porto Filho reconstituiu a história de um império charuteiro, que chegou a ter 16 empresas, sendo quatro na Europa. Com três fábricas de charutos no Recôncavo Baiano (Maragogipe, Cruz das Almas e Cachoeira), foi a maior produtora de charutos brasileiros em todos os tempos e teve um período que manteve a liderança na produção mundial de charutos totalmente artesanais.
A epopeia da Suerdieck começou em 1892, como exportadora de fumos sediada em Cruz das Almas, onde também findou as atividades, em dezembro de 1999. A saga durou 107 anos, sendo 94 dedicados aos charutos que ficaram conhecidos nos quatro cantos do mundo.
Para reconstituir a longa trajetória, Ubaldo pesquisou centenas de documentos e entrevistou dezenas de pessoas que participaram da etapa final do antigo império. Ele próprio foi testemunha dessa fase, pois trabalhou na Suerdieck de 1965 até 1969.
O livro, com 400 páginas no formato grande (18,5x25,5), contém 446 l…

Associação Atlética Maragogipana - Da fotografia do IBGE ao texto

Por Zevaldo Sousa
Professor de História - UFRB

É um grande prazer estar reiniciando esta série, já divulgada na página do facebook História de Maragogipe e retomada neste blog para devidas correções e acréscimos.
Na época, postei fotografias do IBGE e escrevendo matérias. Em alguns casos, escrevi pouco, em outros comecei a trilhar um caminho mais animador. Hoje, dia 01 de janeiro de 2014, falarei um pouco sobre a Associação Atlética Maragogipana, fundada em 16 de março de 1952, na praça Conselheiro Antônio Rebouças, em Maragogipe.

Como já disse, a Associação Atlética Maragogipana foi fundada em 16 de março de 1952 e, como toda instituição teve ótimos administradores, todavia no final da década de 90 entrou no período de crise profunda, e este espaço público só conseguiu se revitalizar, graças aos meninos da Fundação Vovó do Mangue que atualmente estão administrando o espaço.
Desde o início do funcionamento da Associação Atlética Maragogipana parte da comunidade tinha direitos a parti…

Lei de 8 de Maio de 1850 que eleva Maragogipe ao título de "Patriótica Cidade"

É muito comum, hoje em dia, a dúvida sobre a grafia Maragogipana. O erro é histórico e recente, por isso, este blog defende a teoria e a prática da escrita do nome Maragogipe com o grafema "G" devido, que é a forma como está escrita no documento de elevação ao título de cidade.

Fique ligado! Escrever corretamente o nome de sua cidade é ato de respeito e cidadania.
Zevaldo Sousa Professor de História de Maragogipe

Análise de Texto: "Transição de Feudalismo ao Capitalismo – Dobb & Sweezy"

Por Zevaldo Sousa (Em 01 de junho de 2008)

Segundo Paul Sweezy, Maurice Dobb define feudalismo como sendo servidão e esta seria “uma obrigação ao produtor pela força, independente de sua vontade, no sentido de cumprir certas exigências econômicas de um senhor, quer sob forma de serviços a serem prestadas ou de tributos a serem pagos em dinheiro ou espécie.” (p. 33), esta definição foi retirada do texto de Maurice Dobb Studies in the development of capitalism,em que Dobb, segundo Sweezy utilizará praticamente como equivalente os dois termos.
Para Sweezy essa definição é falha, pois não identifica o Feudalismo como um Sistema de Produção, é segundo ele, uma má leitura de Marx, o termo servidão não pode ser considerado, portanto, congruente com Feudalismo, pois “alguma forma de servidão pode existir em sistemas que nada tem de feudal; e mesmo como relação dominante de produção, a servidão tem estado associada com diferentes formas de organização econômica em diferentes épocas e em difere…

Maragogipe e sua ligação com o Esporte Clube Bahia

Por Zevaldo Sousa

A ligação de Maragogipe com o futebol é marcante em vários momentos da sua história. Devido a sua proximidade com Salvador, Maragogipe sempre foi palco de vários amistosos entre os times da capital baiana com a nossa seleção. Essa [nossa seleção maragogipana] sempre teve bons jogadores, contudo, o pouco incentivo não permite a ascensão de muitos jogadores locais, e com isso, os grandes times da Bahia não vêem atrativos aqui nesta região.
Vários foram os acontecimentos que marcam a presença dessa cidade no futebol baiano. Contudo escolhemos dois fatos que são marcantes para o futebol baiano: Primeiro está ligado a Fundação do Esporte Clube Bahia e o outro está ligado a Milésimo Gol de Pelé, quer dizer o que seria o milésimo, senão fosse um maragogipano.
Vamos então aos acontecimentos:
Segundo Alberto de Carmó, houve uma reunião aqui em Maragogipe que foi decidido ser criado o Esporte Clube Bahia. Fomos as pesquisas e encontramos no site do Sempre Bahia a seguinte cit…

Fichamento de Texto: Definição do Fenômeno Religioso e da Religião, Émile Durkheim

Por Zevaldo Sousa

No livro "Definição do Fenômeno Religioso e da Religião" escrito por Émile Durkheim, o autor tem por objetivo “saber qual a religião mais primitiva e a mais simples” (p. 3), para isso ele busca definir, o que convém entender por religião, para não sairmos por aí chamando de religião qualquer “sistema de idéias e práticas que nada teria de religioso, ou deixar de lado fatos religiosos sem perceber sua verdadeira natureza” (p. 3).
Para isso, devemos ter cuidado ao procurarmos definir uma religião como a primeira e também devemos ter cuidado ao definir um sistema de idéias como religioso, a saber, é imprescindível e aceitável que podemos apontar um número de sinais exteriores, que permita estar reconhecendo os fenômenos religiosos onde quer que se encontrem, e impedindo que os confundamos com outros, na verdade é que os seres humanos foram obrigados a criar a noção do que é religião e religioso, mesmo que não acreditemos em alguma religião, nós precisamos “re…