Pular para o conteúdo principal

A BNCC é a base da pirâmide, o topo ainda pertence a escola

Quando a comunidade sonha junto, a escola se transforma!


Por Zevaldo Sousa

A BNCC é a base da pirâmide, o topo ainda pertence a escola

Acredite! Essa afirmativa precisa ser internalizada por todos os educadores e sociedade em geral. Se sabemos que a Educação é a Base para um futuro melhor e mais justo, mas não colocamos em prática e não tomamos como responsabilidade a aplicação das ideias que temos, nada mudará.

É por este motivo que ressaltamos a importância da escola na promoção da cidadania e na construção coletiva e democrática de um Projeto Político Pedagógico que vise a construção da sociedade que tanto queremos e neste sentido, não será somente a BNCC com suas aprendizagens essenciais que promoverá tais mudanças. Ela é apenas uma lei que precisa ser validada, complementada e implantada nos Sistemas Estaduais, Municipais, nas próprias escolas e no planejamento do professor.

O sonho é fundamental para desenvolvermos uma escola cada vez mais justa, equânime, solidária, crítica, que promova o espírito de colaboração e sobretudo a cultura do pensamento e das relações socioemocionais.

Por que inicio este texto falando sobre este assunto? Porque estou percebendo em diversos comentários nas redes sociais uma certa distorção e falta de entendimento acerca da BNCC, assim como uma desconstrução, e em alguns casos, proposital, do verdadeiro sentido do documento que é o de orientar a elaboração dos currículos e das propostas pedagógicas das escolas públicas e privadas, assim como definir políticas públicas para a formação de professores, produção de material didático e avaliação.

Com isso, a BNCC se torna um instrumento de equidade quando falarmos de avaliações externas e de conteúdos que se esperar contemplar em todos os níveis. Isso não engessa a educação, muito pelo contrário, permite que professores planejem aulas respeitando e buscando desenvolver as habilidades e competências de cada aluno, permitindo o trabalho com ações e projetos criados pela escola, incorporando no currículo uma série ampla e diversificada de aprendizagens assim como elementos culturais regionais.

A BNCC dá transparência ao processo, permitindo assim que pais conheçam quais são os aprendizagens essenciais que seu filho precisa aprender, as competências e habilidades que precisam ser trabalhadas e desenvolvidas naquele ano e disciplina, assim como permite que todos os alunos de Norte ao Sul do país tenham a mesma oportunidade de serem avaliados de forma igualitária e justa em provas externas.

No entanto, nos perguntamos: Por que precisamos de mais um documento se já temos as Diretrizes Curriculares e os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e nada muda no contexto escolar?

As Diretrizes Curriculares e os PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) são documentos macros e genéricos que serviram como referência para a construção da BNCC que é muito mais objetiva e específica e já estava prevista na Constituição e na LDB. Nela encontramos O quê? (Aprendizagens Essenciais, ou melhor, conteúdos mínimos) se deve trabalhar em sala de aula em todo o país. Isso significa que todos os alunos têm direitos mínimos de aprendizagem, e por ser mínimos é preciso incorporar novos debates, abordagens, temáticas, lembrando que o currículo trabalhado precisa ser diversificado e neste sentido, a equipe escolar continuará tendo autonomia para gerir este processo de forma democrática, assim como também é preservada a autonomia do professor em sala de aula, pois ele continuará definindo o Como trabalhar? (metodologia e estratégias)

A BNCC não trata especificamente de mudanças, mas lança a semente (a base) para que o professor com olhar de verdadeiro educador comece a trilhar os caminhos do desenvolvimento de competências, habilidades, atitudes e valores nas escolas sendo este ponto essencial para que as mudanças venham a ocorrer com qualidade e equidade tanto na escola como na sociedade. Mas para isso, é preciso formação.

Com este documento, as Universidades poderão definir melhor sua grade curricular formando com isso, professores com melhor qualificação e atendendo as demandas existentes neste século XXI. Se todos os setores estão mudando a educação precisa acompanhar este processo de mudança para que não seja mero transmissor de conteúdos, que inclusive, já estão disponíveis na internet e que muitos jovens já tem acesso e não veem mais tanto sentido na escola.

É preciso mudar esta visão e para isso há necessidade no desenvolvimento de atividades escolares reflexivas ao ponto do aluno não encontrar a resposta facilmente na internet, mas desenvolver, participar, criar, inventar, propor soluções para resolver determinados problemas, tentar entender a si e ao outro e neste ponto, caberá somente ao professor sair de sua caixinha e modificar a rotina de sua sala de aula.

Um dos pontos fortes da BNCC é a incorporação dos debates atuais sobre educação e a preocupação sobre Qual é a escola que nós queremos para nossos filhos? É uma escola conteudista? É uma escola reflexiva? É uma escola que qualifique os alunos para resolver problemas existentes na sociedade? Após definir que tipo de escola desejamos de forma democrática, incorporando a família e a sociedade neste debate que nós poderemos trilhar caminhos de sucesso.


Com isso, reforço o que falei no início deste texto: 'A BNCC é a base da pirâmide, o topo ainda pertence a Escola" e é aqui que educadores, pedagogos, gestores, família, funcionários, sociedade civil junto com os estudantes podem de forma democrática eleger e criar projetos específicos que atendam os anseios da comunidade escolar e do seu entorno. 


É preciso salientar que toda legislação tem atualizações e com a BNCC não será diferente, os embates e debates ainda não terminaram e mesmo após ter aprovada e homologada, haverá a necessidade de novas mudanças que vão surgindo ao longo do tempo, das novas demandas que surgirão assim como erros cometidos que precisarão ser corrigidos.

É fato. A BNCC não agradou a todos e não cabe aqui entrar neste debate, mas enxergar pontos positivos. Ressaltamos a importância da opinião de cada cidadão visando (re)construir este documento, usando argumentos assertivos, dignos e humanos. O fortalecimento da nossa democracia depende desta construção coletiva. O que precisamos evitar é o baixo nível do debate que só faz desconstruir, manipular e jogar sujo e que pouco ou nada contribuem para uma sociedade cada vez mais humana.


Saiba mais no site oficial: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Comentários

Top 5 da Semana

Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAM – 2009) Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos …

Exercícios de História Medieval: Do Feudalismo à Crise do Século XIV (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores e estudantes buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi postar neste espaço alguns exercícios retirados de provas de vestibulares. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cabe ao professor ter o conhecimento da realidade da turma que leciona.
Veja também: Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)
Questões de ENEM e Vestibular
Questão 01. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos. b) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas. c) As relações de produção eram escravocratas. d) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos. e) Os servos estavam preso…

Exercícios de História Antiga - Grécia Clássica (Ensino Médio)

“Respeitemos mesmo as leis injustas para que os maus, tomando isso como exemplo, respeitem no futuro as leis justas, sem pretexto para desobedecê-las”. Sócrates
Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.

Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Moderna: Grandes Navegações (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 1. (FUVEST-SP) “Usamos a riqueza mais como uma oportunidade para agir que como um motivo de vanglória; entre nós não há vergonha na pobreza, mas a maior vergonha é não fazer o possível para evitá-la... olhamos o homem alheio às atividades públicas não como alguém que cuida apenas de seu…

Exercícios de História Moderna - Grandes Navegações (Ensino Médio)

Sabendo que grande parte dos professores buscam pelas soluções dos seus problemas na Internet, resolvi colocar alguns exercícios neste Blog. Vale ressaltar que será muito mais importante, o professor modificar os exercícios de acordo com o que foi ensinado na sala de aula. Afinal de contas, cada um sabe qual é sua realidade.
Veja também:
Exercícios de História Antiga: Roma (Ensino Médio)Exercícios de História Antiga: Grécia (Ensino Médio)Exercícios de História da América Portuguesa e Espanhola (Ensino Médio)Questões DE ENEM e Vestibular 01. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo:
a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Can…

Plano de Curso de História - 1º Ano do Ensino Médio - 2012

PLANO DE CURSO
O atual plano de Curso serve de exemplo para os professores que desejam um modelo. Este plano, está dividido em 3 unidades, mas pode ser adaptado para 4 unidades. Os motivos desta divisão em três unidades está expresso na Regimento Escolar da Instituição de Ensino a qual pertenço.


Série: primeiro ano do ensino médio Disciplina: História Carga Horária: 80 horas Professor: Zevaldo Luiz Rodrigues de Sousa Ano de competência: 2012
I.Apresentação: Quando entendemos que a História é feita de versões e que um mesmo acontecimento pode ser contado de mil formas diferentes, entendemos que é preciso beber de várias fontes para fazer a diferença em qualquer área. O bom historiador deve agir como um detetive, juntando as mais diversas fontes para compor um fato histórico. Será preciso, portanto, fazer um esforço para que os alunos entendam que eles precisam ter consciência de que a História, matéria básica para o conhecimento humano, não é estática nem feita de verdades absolutas é essencia…